quarta-feira, 28 de julho de 2021

Por que esperar...

 


Por que esperar que eu morra para escrever algumas palavras, exaltando minha vida enquanto estive aqui, dedicando-me às melhores causas da vida, ao amor, à poesia, às artes, de forma plena e eivada de determinação, com o fito de contribuir de alguma maneira com o bem-estar da humanidade ou, para não se atrever a tanto, pela melhor e maior felicidade dos que pude alcançar?

Seria algo tipo macabro e desalmado, esperar ver-me primeiro sem vida, sem sangue, já no jazigo, onde uma fria e sombria lápide, cercada de flores (rosas, gerberas, lírios e girassóis), teria a singela mensagem, aqui jaz aquele que teve uma importância significativa para o desenvolvimento e fomento da cultura, da educação e da pessoa?

Não seria melhor fazer esse reconhecimento, desfrutando das emoções e da alegria que o homenageado demonstraria ao ver recompensado seu esforço, sua dedicação e seu trabalho ao bem-comum de todos e, sem a devida modéstia, à humanidade?

É muito hipocrisia, chorar a partida de alguém, deixando-o partir sem ter-lhe mostrado, em vida, o quanto uma parcela significativa da sua comunidade demonstra-se agradecida pelos seus iluminados feitos?

Seria oportuno dizer que estamos mais frígidos, desumanos, perdidos no vazio da vida, sem valor e sentido, por não percebermos e nem vivermos valores e virtudes que consagraram nossos antepassados?

Perdemos nosso amor ao ser supremo, de quem sempre ouvimos falar, à quem encontrávamos nos livros a ser nossa sustentação, abrigo e fortaleza, para o viver bem nesta vida e auferir, por sua graça, a vida eterna?

Que justiça fazemos para nossos antepassados, que legou-nos tradições, costumes e modos de vida, heranças bem cuidadas, atestadas e registradas nas atas da história da família, da comunidade e da vida?

Somos, por isso, quase nada ou nossa pobreza é a nossa maior riqueza? Esse é o nosso fim depois de toda essa caminhada, percorrendo milhões e milhões de anos?


- jose valdir pereira -

 

terça-feira, 27 de julho de 2021

A maneira mais rápida de se chegar ao coração....


 

Meu amor virá...


 

Se quiseres me encontrar...


 

Se o nosso amor...


 

A menor distância...


 

Faça um verso feiinho, mas faça...


 

Ao te amar...


 

Levítico - 18:1-30 Leis acerca dos comportamentos

 

 

                Lv 18:1 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:

                Lv 18:2 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes:

                              Eu sou o SENHOR vosso Deus.

                Lv 18:3 Não fareis segundo as obras da terra do Egito,

                               em que habitastes, nem fareis segundo as obras da terra

                                               de Canaã, para a qual vos levo,

                                                               nem andareis nos seus estatutos.

                Lv 18:4 Fareis conforme os meus juízos,

                               e os meus estatutos guardareis, para andardes neles.

                                               Eu sou o SENHOR vosso Deus.

                Lv 18:5 Portanto, os meus estatutos e os meus juízos guardareis;

                               os quais, observando-os o homem, viverá por eles.

                                               Eu sou o SENHOR.

                Lv 18:6 Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne,

                               para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR.

                Lv 18:7 Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe:

                               ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez.

                Lv 18:8 Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai;

                               é nudez de teu pai.

                Lv 18:9 A nudez da tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe,

                               nascida em casa, ou fora de casa,

                                               a sua nudez não descobrirás.

                Lv 18:10 A nudez da filha do teu filho, ou da filha de tua filha,

                               a sua nudez não descobrirás; porque é tua nudez.

                Lv 18:11 A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai

                               (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás.

                Lv 18:12 A nudez da irmã de teu pai não descobrirás;

                               ela é parenta de teu pai.

                Lv 18:13 A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás;

                               pois ela é parenta de tua mãe.

                Lv 18:14 A nudez do irmão de teu pai não descobrirás;

                               não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia.

                Lv 18:15 A nudez de tua nora não descobrirás:

                               ela é mulher de teu filho; não descobrirás a sua nudez.

                Lv 18:16 A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás;

                               é a nudez de teu irmão.

                Lv 18:17 A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás;

                               não tomarás a filha de seu filho, nem a filha de sua filha,

                                               para descobrir a sua nudez; parentas são;

                                                               maldade é.

                Lv 18:18 E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã,

                               para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez

                                               diante dela em sua vida.

                Lv 18:19 E não chegarás à mulher durante a separação

                               da sua imundícia, para descobrir a sua nudez,

                Lv 18:20 Nem te deitarás com a mulher de teu próximo para cópula,

                               para te contaminares com ela.

                Lv 18:21 E da tua descendência não darás nenhum para fazer passar

                               pelo fogo perante Moloque;

                                               e não profanarás o nome de teu Deus.

                                                               Eu sou o SENHOR.

                Lv 18:22 Com homem não te deitarás, como se fosse mulher;

                               abominação é;

                Lv 18:23 Nem te deitarás com um animal,

                               para te contaminares com ele;

                                               nem a mulher se porá perante um animal,

                                                               para ajuntar-se com ele; confusão é.

                Lv 18:24 Com nenhuma destas coisas vos contamineis;

                               porque com todas estas coisas se contaminaram as nações

                                               que eu expulso de diante de vós.

                Lv 18:25 Por isso a terra está contaminada;

                               e eu visito a sua iniqüidade,

                                               e a terra vomita os seus moradores.

                Lv 18:26 Porém vós guardareis os meus estatutos e os meus juízos,

                               e nenhuma destas abominações fareis, nem o natural,

                                               nem o estrangeiro que peregrina entre vós;

                Lv 18:27 Porque todas estas abominações fizeram

                               os homens desta terra, que nela estavam antes de vós;

                                               e a terra foi contaminada.

                Lv 18:28 Para que a terra não vos vomite,

                               havendo-a contaminado, como vomitou a nação

                                               que nela estava antes de vós.

                Lv 18:29 Porém, qualquer que fizer alguma destas abominações, sim,

                               aqueles que as fizerem serão extirpados do seu povo.

                Lv 18:30 Portanto guardareis o meu mandamento,

                               não fazendo nenhuma das práticas abomináveis

                                               que se fizeram antes de vós,

                               e não vos contamineis com elas.

                                               Eu sou o SENHOR vosso Deus.




 

 

 

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Sempre vou à janela...


 


 

Se vires alguém...


 

A menor distância...


 

Meu amor virá...


 

Se o nosso amor...


 

O melhor de mim...


 

Quando chegares...


 

Sempre vou à janela...


 

Um amigo


 

Desejo que meu coração...


 

Disseram-me as flores...


 

Se um dia te perderes de mim


 

Como se chegar ao coração...


 

Amo-te como te amo...


 

Fazer amor com o coração


 

Se vais amar...


 

Tu és meu jeito feliz de viver


 

Acolhe minha alma....


 

Quando um poeta nasce


 

Guarda-me, ó Deus, porque em Ti confio

 

Salmos 16 

Guarda-me, ó Deus, porque em ti confio.

A minha alma disse ao Senhor: Tu és o meu Senhor, a minha bondade não chega à tua presença,

Mas aos santos que estão na terra, e aos ilustres em quem está todo o meu prazer.

As dores se multiplicarão àqueles que fazem oferendas a outro deus; eu não oferecerei as suas libações de sangue, nem tomarei os seus nomes nos meus lábios.

O Senhor é a porção da minha herança e do meu cálice; tu sustentas a minha sorte.

As linhas caem-me em lugares deliciosos: sim, coube-me uma formosa herança.

Louvarei ao Senhor que me aconselhou; até os meus rins me ensinam de noite.

Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei.

 Portanto está alegre o meu coração e se regozija a minha glória; também a minha carne repousará segura

Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.

Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há fartura de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente.




Ofereça o seu melhor...


 

Mateus 7.7

 

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7.7). 




sábado, 17 de julho de 2021

Só o amor sustenta um relacionamento durável

  

O amor sempre será bem sucedido quando, entre os casais, há afinidades. Quando os sonhos, gostos e desejos são iguais. É o amor quem dá paz, fidelidade, respeito, estabilidade, lealdade e durabilidade ao relacionamento. Mas o amor tem muito a ver com a maturidade. Se não for assim, a relação pode até durar algum tempo, na dita relação por conveniência, àquela cheia de muitas concessões, recuos, abstenções, renúncias e de liberdades tolhidas. Só o amor nos garante sabedoria e o exercício de virtudes nobres para um relacionamento durável e eivado de alegria. O amor sustenta um relacionamento durável até na amizade.

 

- José Valdir pereira -




 

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Que vais fazer comigo?



...Quando assim ocorrer, que vais fazer comigo, após o esperado aconchego dos teus braços?
Dar-me-ás banho e deixarás meu corpo aos cuidados das tuas zelosas e maviosas mãos.
Dar-me-ás teu olhar amoroso e teus lábios prazerosos, a levarem-me às delícias do amor?
O que dirão meus murmúrios, meus sussurros no silêncio da minha entrega às tuas amáveis e dóceis carícias?
Decerto, dar-me-ás, ó vida, o meu melhor momento, para nada mais valer o que vier, se não houver mais outro instante, assim, tão nosso!
Não, minha amada, não vou esperar a primavera, nem as flores, nem o abrigo da alcoviteira madrugada, para derramar em teu corpo toda minha explosão amorosa.
Dar-te-ei todo e tudo, até meu último suspiro, agora!

josé valdir pereira



 

 

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Uma confissão

 

Confesso que ainda não alcancei minha maturidade ideal e nem estou perto de atingir a perfeição que, incansavelmente, vivo a perseguir...

Já me dei conta que pouco aprendi com as flores, com os poetas, com os sábios, com as estrelas, com a natureza e com os protagonistas do amor, da paz e da amizade!

Por isso, rogo-lhes paciência, tolerância e mais tempo para que possa melhorar minhas passadas e evitar desperdiçar a mais sagrada e abençoado dádiva que me foi entregue pelas mãos de Deus: a vida!

E sei que, por um longo tempo, enquanto um caminhante, um andarilho e um viajante, percorrerão todos os céus, terras e mares...

...e ainda, mesmo assim, malgrado tudo isso, não estarei preparado, acabado e nem completo.

Nem para ti, nem para mim e nem para Deus! 

 (jose valdir pereira)





quarta-feira, 9 de junho de 2021

Dormir a vida pra quê?

 

Dormir a vida pra quê, se podemos cultivar os lírios?

 Não gosto de dormir; tenho a impressão que a vida passa mais rapidamente e a morte chega mais perto. Se pudesse, bebia todas, comia todas, via a lua nascer e sumir. O sol ir e vir, até a primavera voltar e o outono, também.

 Adoro outono. É pra ver as folhas caírem... Passa-me a idéia de renascimento.

Já viu uma gaivota voando no infinito do céu azul? Já viu uma centopéia seguindo seu caminho? Que paciência, não? Parece que nunca vai chegar, mas ela sabe que vai. Quando custa ao beija-flor polinizar a flor? E porque todas as águas doces correm para o mar? E por que o mar continua salgado? Parece coisa de gente. Tanto carinho recebe e continua salgada.

 Por que o mundo é doido? Ora, também pudera, cheio de gente doida. Sabia que você é também desajustado, desmiolado, desequilibrado Não adianta se esconder atrás desse sorriso. Um pouco mais ou um pouco menos, mas é. É por isso que a vida é desassossegada, atribulada e corrida, cheia de gente pressurosa. Você está parado, mas doido pra correr, freneticamente. É ou não é?

 E como mudar? Se forem para a roça, vão queimar o roçado, dizimar o pouco do verde que sobra e a fauna some. É melhor mesmo ficar na cidade, pensando que é são, vendo a vida passar, e descuidado, como disse o Raul Seixas, com a boca escancarada esperando a morte chegar.

 (José Valdir Pereira



quinta-feira, 27 de maio de 2021

 
LIVRO DO POETA À VENDA - 11ª OBRA LITERÁRIA
                                                                                                                       
ATENÇÃO, AMIGOS:
VENDA ANTECIPADA DO MEU LIVRO DE CONTOS           

Contos Sombrios & Outras Histórias
Premius Editora - Fortaleza-CE
Valor: 40,00

Quem se interessar em me dar essa honra de adquirir o livro, favor, após pagamento ( via transferência ou PIX ), informar endereço para envio do (s) exemplar (es) adquirido (s).

TIPO DE CHAVE: CPF
NUMERO DO PIX : 02289660272
Para o fornecimento dos dados pessoais, endereço com CEP para envio do livro e comprovante de pagamento, sugiro utilizar o Messenger

O (s) exemplar (es) do (s) livro será (ão) enviado (s) para o endereço indicado, assim que for confirmado o pagamento.

Maiores detalhes, favor entrar em contato pelo Messenger.

Você poderá adquirir, também, direto com o autor e autografados, exemplares dos livros, cujas edições não estão esgotadas, "A Estrelinha e seus amigos" (livro infantojuvenil - 50,00) e "Semeador de emoções" (livro de poemas - 40,00).



 
 

A beleza da Rosa