quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Hoje é meu dia para celebrar mais uma primavera

Gosto muito da expressão feliz primavera. Ele está completando 70 primaveras. Isso soa bem, chega bem aos olhos, é suave sua chegada aos ouvidos. A expressão Feliz Aniversário, já me faz senti-la agressiva.

De acordo com meu registro de nascimento, nasci no dia 19 de janeiro de 1952. Nunca acreditei nisso. Mesmo porque, mamãe me contava que papai não era lá muito bom nos registros dos filhos. Minha irmã, por exemplo, que nasceu depois de mim, segundo a história, foi registrada como se tivesse nascida no dia 13 de dezembro de 1951. Então, ela nasceu depois de mim. Mas segundo mamãe, foi um erro que papai cometei quando foi registrá-la.

Eu sempre brinco com meus filhos, que, depois de certa idade, eu passei a comemorar minhas primaveras na ordem decrescente. De 58 anos pra trás. Então, hoje eu completo 57 primaveras vividas.

Mas a história é a seguinte: não consigo acreditar que cheguei aos 70 anos. Sinto-me muito jovem e muito saudável para estar nesta idade.

Graças a Deus e à minha disciplina e aos cuidados que tenho com minha saúde mental, física e emocional, chego a me considerar um homem de 57 anos mesmo.

Mas, também, tem muito da fé e do amor que cultivo por Deus e por Nossa Senhora Auxiliadora. Por isso, achar-me jovial e cheio de vida. É que, desse jeito, vida longa e saudável, com certeza. 

Tenho uma excentricidade. Não gosto muito de comemorações. Nas principais festas cristãs, Natal, Ano Novo, comemoração de aniversário, gosto de estar sozinho, Deus e eu. Nesses momentos faço muitas reflexões sobre a vida passada, a vida presente e a vida futura. Sobre os amores passados, sobre as amizades, sobre a família e sobre o que de bom eu tenho feito pelos outros. Reflito se estou sendo um homem bom, um bom pai, um bom amor (quando tenho), um bom amigo e um bom cristão.

Bem! Mas, como eu estava dizendo, embora digam que hoje eu estou a comemorar 70 primaveras de existência, para mim, são 57.

Deus seja louvado e que eu seja muito feliz.



terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Há amor por ti e para ti no meu coração

 

 

"Jamais, meu desejado amor, tão divinas, deram-nos, a mim e ao meu coração, semelhantes dádivas a essas que vêm de ti...

agora sim, sei decerto, há amores para outros amores, espalhados neste mundo de Deus e tão bem perto, porque sei de ti, como se fosses minha...como sinto teu coração pulsar no meu corpo, a pedir amor...

São belas as palavras tuas...é bela a canção...

é verdade! Há amor para ti e por ti no meu coração...

e quando a noite chegar, vais ver e sentir mais ainda, porque estou nela como estou em ti, a minha mão, os meus beijos a te tocarem e, nesse angelical e amoroso gesto, dizerem o porquê de eu precisar de ti, também, para viver."

(josé valdir pereira)

É assim...

 


 

O tempo passa e porque caminhamos, indo em busca do horizonte que nos aguarda, que nos apraz (imaginamos) cheio de imprevisibilidades, não nos damos conta que tudo passa, inclusive os dias, os anos...

E se olhamos para trás, às vezes nem queremos fazer isso, o que sentimos: uma vontade de reviver tudo aquilo ou de aquilo tudo... esquecer. 

Por isso que, na caminhada, os passos devem ser comedidos, buscar luzes que alumiam e não pequenas fagulhas que nos confundem que rumo seguir... 

Tens muitos caminhos a seguir, inclusive o teu, a tua escolha, mas não deixas de dar uma espiadela nos passos, nas pegadas, nos caminhos do teu pai, da tua mãe dos teus irmãos... 

Quem sabe, esse gesto, nobre e gentil, enriquece teu jeito de caminhar, enaltecendo tua jornada, dando mais luz ao teu caminho...

(josé valdir pereira)

 

Vladimir Volegov. Art

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Quem eu quero...

 

 

Eu quero querer, quem me ame de forma irredutível,
Resoluta, apaixonada, total, plena, duradoura (eterna, se possível),
Carinhosa, meiga, gentil, sincera, honesta,
Com entrega plena e irrestrita;

Que compartilhe meus sonhos, meus desejos, minhas alegrias,
Meu sol, minha lua, minhas estrelas, minhas vontades, minha ternura
E tudo o que seja felicidade, alegria, amor e vida.

É assim que eu quero...

(José Valdir Pereira)




Quando eu morrer..

 

"E quando eu morrer, só duas saudades levarei;
do prazer que nunca tive, mas quis,
e das vezes que amei!"

(José Valdir Pereira)




domingo, 16 de janeiro de 2022

Lembranças

 
Hoje sou parte de sua vida,
pedaço do seu passado.
 
Sou espaço desocupado,
amante irrequieto,
desejos de você.
 
Amo o espaço e o tempo que foram nossos,
as lembranças que somos,
e as nossas doces loucuras.
 
Amo o nosso amor,
que foi tão descomedido
e tão desassossegado!
 
(José Valdir Pereira)



Nos meus poemas, o que busco...

 

Procuro, nos meus versos, na minha poesia e nos meus pensamentos e frases, deixar um pouco da mensagem do amor e da necessidade de semearmos atitudes que possam alterar, nem que seja um tanto assim, os desígnios da humanidade que, nos últimos tempos, está perdendo a beleza da convivência e a razão maior da nossa existência, que é o amor!

 (José Valdir Pereira)



De repente, o mar, um motivo para lembrar

De repente, o mar, um motivo para lembrar,
do meu Ceará, dos amigos de lá...
Lembrar da minha Fortaleza, bela e brejeira,
um encanto, um encantar...
espreitar o navio chegar,
trazendo gente do lado de lá...
e seu apito a dizer, viva o Ceará.
 
Jangadas, jangadeiros, terra, sol, luz e mar,
praias, sorrisos alegres, gente hilária,
só felicidade e um motivo pra lembrar,
que terra boa é assim, como o meu Ceará.
 
Uma água de coco, um peixe de raro sabor,
brisa soprando os cabelos do meu amor,
um por de sol de esmerado esplendor,
água verde esmeralda no horizonte,
água turquesa azul em outra hora, outra cor...
 
No Ceará tem disso sim, encantamento,
velas ao vento e palmeiras avoaçadas,
de dia e noite adentro, uma bela canção,
para te amar, no mar. nas areias do mar,
meu amor, no meu Ceará.
 
- Jose Valdir pereira –

 


A flor do signo do capricorniano

 

A FLOR de amaranto é um símbolo da imortalidade na cultura ocidental. É a única flor que não murcha. Na acepção da palavra grega "Amarantos" tem sua origem etimológica de seu nome. Sua beleza intemporal se opunha às rosas fugazes do escritor grego Esopo (ca. 620 aC -ca de 560 aC), no ensaio de curto intitulado "A Rosa e o amaranto", incluído na coleção de 358 fábulas  um propósito moral.

No vigésimo primeiro livro do tratado enciclopédia botânica “História Naturalis”,    o escritor naturalista romano Plínio, o Velho (23-79) explicou que ele havia observado que o amaranto realmente teve a distinção de nunca morrem: para secagem da colheita, de volta à vida milagrosamente apenas em contacto com a água, mesmo que as flores estivessem secas.

A imortalidade de amaranto também foi mencionada no livro III do poema épico em versos brancos ‘ Paradise Lost ‘, publicado em 1667 pelo escritor e poeta John Milton (1608-1674 )



O melhor de mim

 



"O melhor de mim não é palpável, nem visto!
O melhor de mim vem de dentro, é sentido!
Certa parte de mim não é sentida, mas vista na ternura dos versos e dos pensamentos.
O melhor de mim, é quando penso estar nos teus braços, tocando teus lábios, na iminência de beijá-los.
O melhor de mim é dizer nos meus versos que te amo!
O melhor de mim é quando me deixo ser levado pela imensidão dos teus beijos.
O melhor de mim é quando digo que a minha amizade é do tamanho do amor.

Amor que tenho pelas flores.
O melhor de mim és tu!

 

(Jose Valdir pereira)




Dou-me domado

 


 

"...A questão é tê-la pela doçura do amor, à mordida do prazer... às vezes da ameixa na minha boca, tomada pela tua, ou todo o meu corpo na tua doce quimera, de atender teus apelos...Sentir-me-ia bem melhor nos teus braços, e não sonhar e morar nos encantamentos das ilusões.


Dou-me domado e consciente aos meus devaneios, acorrentado num constante pensar, da posse da mulher bonita e brejeira, distante dos meus olhos, dentro do meu coração..."

 

 (josé valdir pereira)

 

À espera de ti...

 


 

"Quando a relva molhada tocou meus pensamentos e as pétalas das rosas meu corpo roçou, imaginei que eras tu com teus afagos que quero sempre e tanto, emergindo da tua complacência, e de volta ao meu amor;

Depois que a lua surgiu e o céu o iluminou, vi teus olhos nos meus, apiedando-se da minha alma e,enfim, a entrega dos beijos teus, que há muito tempo aninhavam-se pelas nobres e inalcançáveis alturas do condor;

E não desperdiceis o melhor de ti, indo feito moça bela e desalmada, sem rumo e sentido, ora com tudo, ora sem nada,  desguarnecida e desleixada, sem vida.

Vê que o jardim te espera, as flores te vêem como princesa, são teus os beija-flores, se vens não ficarás sozinha, e entre nós, teu melhor canto, és amada mulher brejeira.

Então, contorna essa ida, dispensa esses velhos pensamentos, desmancha esse velho passado, e não sejas ave de arribação, vem, vem, te amamos coração!"

 (josé valdir pereira)


The Dean’s Daughter by George Frederic Watts, 1879-1880

Sobre a solidão


 

"A solidão é quando você ignora, esquece que antes de tudo você é a sua melhor companhia! Se você não está bem consigo mesmo, nem uma multidão vai resolver sua solidão. E recomece assim: visite um jardim, converse com as flores, talvez veja um beija-flor, borboletas, e, quem sabe, até um arco-íris; ou então, à beira-rio, usufrua da calmaria das águas no dorso da mãe natureza, veja a simbiose dos que ali vivem e aprenda na beleza que lhe circunda; ou então à beira-mar, olhe na linha do horizonte e imagine toda limpeza d"alma e do coração; assim, você vai se reencontrar e, desta feita, outra vez, vai estar preparado para desfrutar da sua companhia e da amizade dos que se aproximarem de você."

(josé valdir pereira)



sábado, 15 de janeiro de 2022

Tempo das Rosas


 

O homem, Deus o criou por amor

 A sabedoria é fruto das experiências, ensinamentos e leituras da vida, que habita

as mais serenas e nobres planícies das moradas dos deuses, e destes, propriedade

exclusiva.


E pode ignorá-la o amor, se dizem ser este um sentimento que, à revelia,

chega e inebria, indistintamente, tomando de assalto até os deuses dos deuses?


Dizem que Deus, na santa devoção à Sua criatura, desfez-se da sabedoria, e, por

amor, criou o homem. Então não foi um gesto sábio; foi por amor!


(josé valdir pereira)



Da tua beleza

 

Não há voo mais frágil que o seu, o da borboleta.

Entretanto,  é cheio de encantamento.

O teu voo, ao contrário, é sólido e consistente;

entretanto, sem deslumbramento.


Para que com ela te compares, deves deixar ter um pouco da

tua languidez, para que não te pareças insípida como o

vinagre e cheia de insensatez.


Tua beleza te faz rica de encantos, mas o tempo te encherá

de fragilidade e, certamente, tornar-te-ás fugas.


Tens que saber lidar com essa dualidade, e mesmo com a

fragilidade de uma borboleta, consigas teus sonhos perseguir, 

e teus voos alçar, mesmo ante os precipícios da vida.

 

(jose valdir pereira)



sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Parabéns às manas gêmeas

 

PARABÉNS, PARABÉNS, PARABÉNS

Manas, hoje no seu aniversário, desejo-lhes que todos os seus sonhos sejam realizados. Um beijo do mano que lhes ama muito. Vocês, você e sua irmã gêmea, Joseane, minha afilhada, ajudei a mamãe criar as duas. E tudo com muito amor e carinho. Deus seja louvado.

Parabéns! Parabéns às duas maninhas. Deus abençoou nossa mãe quando lhe deu de presente vocês duas. Foi bom ela ter me convidado a cuidar de vocês duas, ajudá-la a criá-las e favorecer um pouco na formação e na educação de vocês. Deus é bom!




Parabéns às netas

 

PARABÉNS, PARABÉNS, PARABÉNS!

A primeira, é a Laura. A segunda, é a Letícia. Minhas netas. Também fazendo aniversário hoje, dia 14 de janeiro (Tenho duas irmãs gêmeas que fazem aniversário hoje e duas netas gêmeas que fazem aniversário também hoje) E nasceram bem pertinho do dia do meu aniversário. E tenho um filho, o pai das netas, que nasceu no dia 24 de dezembro. Somos todos capricornianos. Pés no chão, coração e espírito com Deus, nascidos para amar e fazer o bem ao próximo.

É sempre bom desejar aos que amamos saúde e amor. Sucesso na vida e muita paz no coração.

Parabéns, amadas e abençoadas netas. Deus seja louvado. Obrigado por fazerem parte da minha abençoada vida.



 

Difícil a arte de amar...

 

O amor não precede à amizade; a paixão, sim. 

O amor não se sustenta sem a amizade; a paixão, sim. 

Portanto, não é preciso dar amor para recebê-lo; 

recebemos amor pela força da amizade, pela beleza e importância da amizade na realização da vida. 

Feliz de quem ama e é amado sob à luz da amizade - há mais respeito, os momentos são otimizados, o amor é vivido na sua plenitude e a vida prolongada, porque haverá sempre paz, maturidade e saúde no coração - antes de querer o amor de alguém, seja amigo. 

Talvez, assim, como amigo, você descubra que...eis, enfim, meu verdadeiro amor...Oh...”não, ainda não é este o meu príncipe encantado!

 (josé Valdir pereira)

O tio do poeta e esposa


quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

 Lançamento de livros só para mulheres




Que busca...

 

Que busca a aurora no cio do amanhecer?

E a flor no afago desmedido do beija-flor?

E a lua, na imensidão do céu, numa noite de esplendor?

E o amante à merce do nudez da mulher amada?

E a criança na pureza do gesto de degustar um pirulito?

E o noivo na espera, no altar, da mais bela e desejada mulher da sua vida?

E a virgem, na noite de nupcia desapontada com a queda do império dos sentidos do

amante?

E a educação nos braços da ignorância?

E a gratidão nos braços de um mau caráter?

Um amor inocente nas garras de um malandro conquistador e cafageste?

Dilúvio? Torre de Babel? Apocalipse? Armagedom? Holocausto? Paraíso? Céu?

(josé valdir pereira)


Gardênia

É que, amando....

 

É que, amando, sei quando e porque sou verdadeiramente amado.
Belo!
Então já tens o começo do entendimento.
Semeia e aduba o terreno.
Como?
Deixa teu coração solto e leve... Ama, mas evita a dor...ama as criaturas amáveis
primeiro; depois as outras.
Não te prendas a nada...Deixa-te vazia para que o amor possa te dominar, encher teu
corpo e teu coração...é ele, o amor, que faz o prazer, a entrega, a vida virar poesia,
prazer e goso.
Eu prefiro as líricas, as sensuais, as que falam da relação entre os corpos, as almas, nós
e a natureza, nossas relações com Deus, o poder da amizade...
Amo amar; mesmo que não haja amor para mim...
Basta-me amar...prefiro ser capaz de amar mais; não me importa muito ser muito
amado. É bom, sei.
Mas é que, amando, sei quando e porque sou verdadeiramente amado.


(josé valdir pereira)

 

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

O poeta

 


 

O poeta é a existência que espera que haja um verso seu capaz de lhe entregar nos

braços do imenso amor, que o espera, a haver no coração da sua inspiração...

O poeta é a espera do olhar amante, da palavra cativante, do verso apaixonante que

da sua terna e sempre tenra verve, verseja nas pulsações e batidas do coração, quando

pensa que viu nos olhos de quem o vê a sua doce entrega ao delicioso e tão desejado

ardente amor...

O poeta é um ser que sonha; e a maioria das vezes, sonhos inalcançáveis...porque

sonha nos braços do seu amor, alguém que vive em seu sonho, sonho de poeta - e, não

raras às vezes, cai, nesse paradoxo, nesse infortúnio, na sua façanha de amar o

intocável, e pensar que é amado, deixa-se entregue ao ledo engano; é quem ama

profundamente, entregando-se ao infinito, à imensidão do azul do mar, do céu e

corações, nos braços do desamor...

O poeta é aquele que sai por aí - fingindo que é dor a dor que deveras sentir!

 

(José valdir pereira).


William Oxer 

Seja sempre gentil

 


 

Seja sempre gentil, educado e um coração afeito ao bem;

quando estiver tolhido por algum motivo de ser assim, recolha-se um pouco, respire

fundo e adie o que pretendia fazer;

Aprendi, faz tempo, ainda quando criança, creio que foram minhas reflexões, que o

mundo é dos calmos.

Às vezes, os nossos interlocutores, pessoas com quem falamos, estão uma pilha de

nervos. Ao menor sinal, retire-se da circunstância, afaste-se, carinhosamente,

postergando seu intento, a satisfação da sua necessidade.

Assim, evitamos nos magoar, deixamos de contribuir com o estado enervado do

próximo, e contribuímos com a melhoria do humor da humanidade.

Não raro, a vitória depende de um oportuno recuo

 

(josé valdir pereira)




sábado, 8 de janeiro de 2022

Ler é sobreviver às agruras da vida...


Morria de sede, esquálido e com terrível fome, descobri no livro o que comer! Antes

de qualquer refeição, é preciso comer e beber letras que levam à leitura, que dá o

caminho a seguir... é onde se aprende a viver ou sobreviver - é preciso viver a agonia

de se estar numa parada de ônibus e não saber ler para onde o veículo pode nos

levar... é preciso ter nas mãos um livro, saber que ele contém vida, e não saber ler suas

letras, suas palavras...

Ler é sobreviver às agruras da vida, superar empecilhos, encontrar caminhos, realizar inefáveis viagens, encontrar luz, o amigo que nos conforta, realiza, completa: o livro!

(josé valdir pereira)




Não, não fique triste



Não fique triste, morrendo por dentro, dando a entender que sua vida é insignificante, que você não tem mais valor e que não valeu a pena o esforço que já fez para chegar até aqui. A vida é um constante recomeço! 


Tudo é profundamente diferente no instante seguinte; nada é igual após a menor fração do tempo que passou - o lugar não é o mesmo e nós somos renovados, na alma, no corpo e no coração, instantaneamente - e tudo para não morremos de monotonia, mesmice; 


para não levarmos uma vida sem variação, devemos mudar, somos obrigados a mudar para melhor vivermos. 


A estagnação é uma ameaça à alegria de viver!

(josé valdir pereira)



Sobe um pouco teu olhar acanhado


Ah, que coisa tola, rapaz!

Só existem porque, quem desejaria tomar seus lugares?

Então, se tornam reis dessa pobreza e dessas futilidades...

É o resultado de estar a serviço de tantos que pedem tão pouco...

Este é o problema da falta de referencial, do conhecimento de outros pecados e

prazeres da vida...

Assim, sirvo-me, de forma besta, da mesquinhez dos pequenos varões de Plutarco...

E eles, com a vossa alforria de débeis mentais, porque reconhecem esses delinquentes

da cultura advindo do resto da sobra rejeitada, são pobres celebridades no vosso

meio...

Aí, em conseqüência, vós sois paupérrimos subalternos declarados desses perversos

senhores feudais da cultura alienada e alienante...

Não pode haver pobreza cultural maior do que a riqueza de quem não tem

precedente, raiz, antecedentes nas artes...

E eu sei, rapaz, de um lugar onde podeis encontrar farta e soberba linhagem

gabola...Sobe um pouco teu olhar acanhado e não te assustes com as trevas do

horizonte, não muito longe daqui...

(josé valdir pereira)




sexta-feira, 7 de janeiro de 2022

A simplicidade e a maneira provinciana de ser


 

A metamorfose é soberba e assaz cruel com quem dava valor à vida eivada de estilo e de elegância... A simplicidade e a maneira provinciana de viver, em detrimento da paz e de uma boa qualidade de vida, foram soterradas pela guerra diária que se empreende, na luta pela sobrevivência... Aos poucos mudamos e suscitamos mudanças, ajustando e moldando, ajustados e sendo moldados... É, agora, a lei da vida... E temos que atingir a velocidade dos mais fortes, mais astutos e mais preparados, sob pena de cairmos na mais cruel escravidão moderna - alguém está, em algum lugar, se preparando para vencer, se superar, convencer, malgrado  você... franzino e bonzinho - o mocinho que sucumbe ante o vilão! Em crise? Não! É tudo real... Só mesmo na roça, no pé da serra, no beiradão, na maloca, sob a sombra do oitão...há pureza, nobreza, gentileza, uma canção de amor, um jardim, a simplicidade estampada num sorriso de um desconhecido confiável, de um amigo, de um amor...

Não devíamos mudar, nem ser mudados... É a saudade do que se foi, a tragédia das conquistas que vão motivar o retorno... a volta... ao pó! Para recomeçar... do nada!

 (Jose valdir pereira)


The Dean’s Daughter by George Frederic Watts, 1879-1880



Àquele que nos ajuda a sairmos do ventre da nossa mãe...

 


 

“Aquele que nos ajuda a sairmos do ventre da nossa mãe, naquele abençoado momento,

devia nos dizer:

- aqui estás para ser uma pessoa abençoada. Seja bem vinda...

A vida não será só flores, mas Deus te deu inteligência e energia para que te tornes

sábio e capaz de seres um vencedor...A vida está sempre a nos oferecer opções; por

isso, devemos estar preparados para fazermos a melhor escolha...

Seja sempre do bem e semeia o amor, a paz e a solidariedade...

Dialoga com as flores, com a consciência, com o coração... seja alguém que não precisa

se arrepender dos seus atos; seja seu melhor amigo e dedique-se ao seu

amadurecimento, ao seu desenvolvimento e se torne capaz de amar e ser amado...

Espalha alegria e apóia os mais necessitados, àqueles que não souberam aproveitar as

oportunidades ou que jamais contaram com essa possibilidade...

Seja gentil, zeloso e carinhoso com a natureza para que ela permaneça acolhedora, no

amado ventre, que nos acolheu na chegada,que nos acolherá na partida...

Tenha um Deus para, através da fé, se fortalecer, quando, algum dia, a dor da angústia

ou da carne visitar teu coração...

Lembra: nasceste para ser feliz, mas não seja feliz em detrimento da paz e da alegria

do teu irmão...

Seja bem vindo e Deus te abençoe!

 

(jose valdir pereira)




E o amor, para não ser outra vez em vão!

 


Quando chegaste, encontraste a porta e o meu coração abertos; meu lar era tua casa, meu coração teu abrigo.


Nos meus beijos colheste a mais bela e demorada ternura e sentiste os mais desejados sabores do amor perfeito; no meu corpo a acolhida deliciosa em todas as vezes que me querias, o meu amor; a minha alma venerava tua gentileza nos carinhos que me davas.


Desfrutaste da mais louca ventura e ilusão, enquanto abstraias todo o tempo que não era teu, para construir, em mim, teu palacete, onde a minha entrega ostensiva e indebelada, e, por ser o que mais querias, acontecia com impulsiva paixão e puro amor...


E então, veio a neve, o sol se pôs sem pressa e sem nada dizer; a chuva chegou de mansinho e o vento uivava no telhado; o amor recolheu-se para não ser outro vez em vão!


(josé valdir pereira)



 

Finda busca minha

 

Melhor se tua mão encontrasse a minha e finda busca do coração meu;
por muito tempo dar-me-ia aos teus lábios
e deixava ser embriagado pela fragrância do teu corpo;
enamorado e tomado pelo desejo dos teus olhos,
alento dos meus, seria teu para sempre!
Vem, dá-me teu néctar, tua mão e finda busca minha...
(josé valdir pereira)

Art by William  Whitaker

Não tenho pressa


Deixo-te porque não sabes cuidar do coração que tanto cativas;
sigo caminhos incertos e em busca de outro amanhecer;
é tarde e a noite vem outra vez; sigo em frente, sem pressa; não tenho pressa; sei que, em algum lugar, há amor e o caminho segue;


flores, amor e carinho, serão teus; e tu não serás minha;
não tenho pressa! Sigo olhares, sorrisos e acenos, e amores me cativam; mas, não tenho pressa; não tenho pressa;


sei que existe uma flor em algum lugar deste jardim, cheia de amor para amar...Por isso, não tenho pressa!


Sigo acenos, sorrisos, olhares e não tenho pressa;
não quero chegar e partir e, de novo, outro ruptura, outro desamor, outro quimera, outra ventura...


Não tenho pressa; 

amar é preciso,

com amor!


(josé valdir pereira)

                                                           Art  by  Howard  Rogers

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

Uma declaração de amor

 

 
Eis a maior de todas as alegrias:
ver em teu sorriso o melhor gesto do amor que tens por mim; desfrutar de uma amizade sincera;

ver o esplendor do amor de Deus por nós, manifestado na beleza da natureza; 

o amor puro e sincero no olhar singelo de uma criança; 

o contraste entre a fragilidade dos seres vivos e a versatilidade na luta pela sobrevivência;

ouvir uma declaração de amor; a outrem, que seja;
o amanhecer; sempre vem cheio de esperanças;
as águas de um rio correndo; 
deixa-me ser levado pela imaginação; 

é quando sonho ser acolhido por ti;


ver o amor se manifestar na sua forma mais pura em festas de criança; 

o agradecimento de quem recebe e o contentamento de quem oferece; 

alguém gesticulando, falando com Deus;

o abraço quando alguém chega...;
a fascinação de uma mãe ao ver seu recém-nascido;
a emoção da surpresa; a mais inesperada;

a lua reinando no céu todinho seu;
um jardim florido; 

uma flor molhada pelo orvalho da manhã;
um gesto de solidariedade;
ouvir uma bela canção;
a impaciência do pai que aguarda a chegada do seu filho;
uma mão que toca outra;
um beijo apaixonado, o verde do mar, o céu estrelado
a elegância e a ternura nos gestos de alguém educado;

o balbuciar, o engatinhar, o sorriso de uma criança;
alguém dizer que ama do fundo do coração;
um encontro à luz de vela;
uma flor indo de uma mão para outra, ou, de mão em mão;

Isto tudo e mais, e muito mais;

mas, sobretudo, o amor ganhando,

mais e mais, importância entre os homens!


(josé valdir pereira)


Justine Florentine

Não é meu verso instrumento de sedução...

 



Não é meu verso instrumento de sedução;
pode ser, isso sim,  de felicidade, alegria
e de afagos ao teu coração.
 
Não é porque eu te fiz versos bonitos
que te amo ou que vislumbre, n´alma pobre
minha e dorido coração meu,
a possibilidade de haver algo entre mim e ti;
 
tu mereces este endeusamento todo,
porque tu és formosa e divina e, inegavelmente,
tão majestosa que não ouso atrever-me a querer-te
neste momento e, mais que isto, desejar que sejas minha,
hoje e sempre; estás além do meu querer dos meus desejos!
 
Ah, sabe de uma coisa!
Amar-te é como amar a uma flor
A flor, deixo-a sempre onde está
para que sua beleza e seu perfume deem o encantamento,
o deslumbramento que precisa a humanidade ter e sentir;
 
Então, não é meu verso instrumento de sedução;
pode ser de felicidade, alegria, afagos ao teu coração;
cabe tão-somente à esta humilde expressão de amar e de amor,
externar o que quer ouvir teu coração, e o que o meu sabe mais dizer,
que és uma mulher encantadora, de olhos sedutores, corpo amoroso,
porte divino e lábios que sonho beijar.
Mas, não quero que sejas minha;
já tenho as flores; já tenho a quem amar!
 
(josé valdir pereira)


Loretta Young for Vanity Fair, 1933.  Photo by Edward Steichen.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022




 

E tão pouco sei de ti...

 


 

Em tão pouco tempo, já podes saber, porque a toda instante me revelo,

dos meus vícios, desejos e carências...

...e desse amor ausente nas palavras,

tão presente no meu jeito de ser...

...sabes tanto...

E tão pouco sei de ti...


De tudo... quando anoitece, e ao correr do dia...

tu sabes das minhas quimeras, e vontades, e nem ouso disfarçar...

...em tudo já me conheces, e eu...a te lembrar...

E tão pouco sei de ti...


é meu cheiro teu perfume preferido,

nem me perguntas se quero, me dás sem eu pedir...

até meus pensamentos lês e quando preciso de uma amoroso olhar...tu sabes me dar...


E tão pouco sei de ti...

Por que não te deixas te revelar?

- jose valdir pereira - 




Sede amável, gentil e cultiva a paz no teu coração...

 

"Em cada afago, muitos anos de vida...

ide, afagai e fazei corações românticos...pelo exemplo!

...é como semear flores...apenas lançai as sementes...vosso olhar amável, vosso sorriso...vossos gestos gentis... ...vão espalhar o amor...

Sede amável, gentil e cultivai a paz no vosso coração.

Certamente não ireis consertar o mundo, mas o fareis menos infeliz.

...E mais gentil"

 

(jose valdir pereira)



valdir pereira)


O poeta não tem...

 

Como você pode ver,


o poeta não tem, necessariamente, alguém, uma mulher ou um homem, que (a, o) ame para ser romântico e se expressar em seus poemas como se tivesse um grande amor, amor feito de carne, espírito, coração e razão...


A mulher em si, a beleza feminina em si, o belo, tudo que encerra o belo, é a fonte de inspiração, no caso, a minha...


A meiguice da mulher, a ternura dos seus traços e da sua voz, sua entrega angelical que se faz no olhar, que chega e penetra no nosso coração... é a musa, uma obra de arte, uma paisagem, uma bela mulher, um gesto divino, é tudo isso que sente e vê o poeta, que o faz traduzir em versos, o amor que encerra seu coração...


- jose valdir pereira -




Nos velhos tempos de outrora...

 


 
"...E, assim, era tal minha discrição... e exagerada timidez ao ser cortejada e desejada pelos teus beijos que, mesmo sem tê-los, sentia-os dentro do meu peito a afagar-me, com teu amor, meu coração...
 
A época? Nem me lembro mais...Fazem tanta questão de apagá-la, que nem me recordo...nem o tempo a tem na lembrança...nem o tempo!
Mas eu sei que tudo era e acontecia aos poucos, e uma coisa de cada vez...
Depois do olhar, o flerte à distância, recados nos bilhetinhos nos pedaços das folhas dos cadernos rasgadas; ou uma canção oferecida pelo serviço de som das quermesses, com respeito, carinho e amor...e sem saber o nome, a se referir apenas de como estava a vestir-se...
 
Depois, sim, o amor sentido em cada coração, a procura de aproximar-se, um do outro, para algumas palavras, expressão de desejos e alguns toques, quando muito, sutis, apenas as mãos a se tocarem...escondido era mais gostoso, mas a educação pedia que fosse em casa, aos olhos dos pais...e não havia outra maneira de se contemplar um ao outro, senão através dos encontros marcados, em casa, no colégio ou nas praças, na companhia de uma amiga ou de uma irmã ou de uma prima...
(...)
Custava o primeiro beijo...jamais um abraço, salvo quando em um baile a dançar, sob o olhar serrado do irmão, momento mais esperado...os corpos se encontravam e o amor acontecia mais fortemente...não se ficava...éramos namorados...e, raro era, se assim o fosse, não redundar em casamento...e era o tempo do véu e grinalda, da lua de mel e de outros rituais que davam e marcavam, com elegância e lirismo, os velhos tempos de outrora.
(...)
 
Já faz tanto tempo...
Mas assim, é que era bom...
Era bom demais...
 
- jose valdir pereira -