quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Leia-me, meu amor!

 

Leia-me todinho, até nas entrelinhas, 
mas não me rasgues depois, 
nem me deixes em um canto qualquer da estante,
como se eu fosse um livro lido, relido e sem graça...

Leia-me e faça-me teu, teu livro de cabeceira,
para que me leias todas as noites, me tenhas nos afagos das tuas mãos,
e te apaixones pela bela história de amor que tenho, que sou...

Leia-me sempre, a qualquer hora, porque, como o livro,
estou disponível e gosto do chamego do teu olhar, das mordidas dos teus lábios, dos teus dedos que me tocam quando queres seguir, pensar, amar...

Leia-me sempre, meu amor!
(jose valdir pereira)




Nenhum comentário: