segunda-feira, 3 de janeiro de 2022

Peço sim, pelo não...


Às vezes, dá certo, outras não.
Mas é preciso arriscar...
Um "não", se é resposta inesperada, dói,
Mas passa. É melhor que um "sim" aguado, morno e sem graça. Que fica sem razão de ser...


Não semeie amor em terras áridas...é quando lhe abrem os braços, dão motivos, mas não deixam florescer...nada...nem amor...nem amizade... Como saber? Está nas palavras, no olhar...

Não ofereça além do que pode dar o coração...o que não cabe no coração, não deve ser oferecido nem recebido...o seu e o de à quem oferece,
vão sofrer querendo dar sem ter...e vão se decepcionar com a escassez que nessa hora permeia...


não subestime o desconhecido...e nem confie demais no óbvio e ululante...
e nem deixes ser tomado pelos exageros...
se estiveres fazendo, ligue-se pra valer - e deixe rolar tudo...faça.
Pague a conta, tim, tim, por tim, tim...!
 
Um beijo é algo muito sério...só com permissão da alma e do coração;
Evite iludir - mentir - usar subterfúgios ...suscitar desenganos...
 
Compareça, se prometer...e não saia de mansinho...cuide da sua compostura...
Sutis e leves argumentos são apropriados à certas horas...
Guarde-os sempre no seu alforje cognitivo...
 
Se tiver que recuar, faça-o. Ganha-se uma guerra perdendo algumas batalhas.
No amor, porém, nenhuma palavra, nenhum argumento...nada serve, se pelo olhar nada aconteceu, se o corpo não tremeu, se a alma não reluziu, e se o coração não palpitou...
É que, às vezes dá certo; outras, não!


jose valdir pereira 


Ana de Armas

Nenhum comentário: