sexta-feira, 7 de janeiro de 2022

A simplicidade e a maneira provinciana de ser


 

A metamorfose é soberba e assaz cruel com quem dava valor à vida eivada de estilo e de elegância... A simplicidade e a maneira provinciana de viver, em detrimento da paz e de uma boa qualidade de vida, foram soterradas pela guerra diária que se empreende, na luta pela sobrevivência... Aos poucos mudamos e suscitamos mudanças, ajustando e moldando, ajustados e sendo moldados... É, agora, a lei da vida... E temos que atingir a velocidade dos mais fortes, mais astutos e mais preparados, sob pena de cairmos na mais cruel escravidão moderna - alguém está, em algum lugar, se preparando para vencer, se superar, convencer, malgrado  você... franzino e bonzinho - o mocinho que sucumbe ante o vilão! Em crise? Não! É tudo real... Só mesmo na roça, no pé da serra, no beiradão, na maloca, sob a sombra do oitão...há pureza, nobreza, gentileza, uma canção de amor, um jardim, a simplicidade estampada num sorriso de um desconhecido confiável, de um amigo, de um amor...

Não devíamos mudar, nem ser mudados... É a saudade do que se foi, a tragédia das conquistas que vão motivar o retorno... a volta... ao pó! Para recomeçar... do nada!

 (Jose valdir pereira)


The Dean’s Daughter by George Frederic Watts, 1879-1880



Nenhum comentário: