domingo, 14 de fevereiro de 2021

Do poeta obsoleto...



 
Do poeta obsoleto, por viver à margem da modernidade e ser uma figura em extinção
 
Ele passa despercebido,
escondido à força pela modernidade do tempo,
nem a rosa que sustenta em sua mão,
desperta interesse aos transeuntes
e aos observadores de plantão.
Cabisbaixo,  segue alheio aos olhares que não mais existem,
é a reação do tempo do niilismo da cultura, do apego à contradição,
negar tudo o que de bom já houve, guardar bem dentro do coração,
para sublimar do novo.
Quem és tu, um poeta, um mensageiro do amor?
E por onde andaste, por que não viste que o tempo mudou,
e as palavras líricas perderam sua graça e, agora,
a linguagem preferida tem outra rosto?
 
Que queres tu, se as flores, mesmo com tantos jardins,
não são notadas e nem seu perfume, suas cores. despertam atenção?
Não use palavras vãs, meu poeta, e nem entre em uma conversa ou em contenda com formais introduções. Agora, em poucas horas, consumimos e somos consumidos pelos algozes de plantão.

 
Já fez algum poema hoje? E já o publicou? 
Quem os leu ou por ele expressou encantamento? 
Ninguém? 
Pois é, meu caro poeta. Simplifique. O seu tempo já morreu.
-  Jose Valdir pereira -



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário