quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

A poesia, o poeta, a vida


 

Deus é, além de muito inteligente, muito bondoso para com suas criaturas. Veja só: para vencermos as agruras da vida, na juventude, nos deu a virilidade, a coragem, a confiança no poder da tenra idade, que pode tudo; é assim mesmo. Embora nada possamos e nada sejamos, quando jovens, cremos que somos onipotentes e oniscientes, semelhantes ao Criador.

Depois vem a velhice (essa é a palavra certa) e Deus nos deu a possibilidade de substituir os predicados da juventude por algo que só existe nessa estação existencial: a sabedoria. Mas, esta não chega a estar em todos. É privilégio de poucos, porque, nesse mundo consumista, poucos se dão conta do seu valor.

Quando eu era pequeno lia muito a Bíblia. Os Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Eclesiástico, Cântico dos Cânticos, entre outros livros, sempre foram minha leitura predileta. E eu queria ser sábio como Salomão e amável e culto como David.

Hoje, a humanidade está perdendo as virtudes e os valores que engrandecem e confirmam o amor, a amizade como o bem maior a ser conquistado.

Apenas uma pequena parcela vive, persiste em viver as virtudes e os valores que dão sustentação à existência do amor e da amizade. E fazem isso através da poesia.

Certa vez Kierkegaard escreveu: "o poeta é o gênio da recordação". E ele tinha razão.

Isto faz do poeta um elemento fundamental num grupo social, que tem uma valiosa missão: registrar para as gerações presentes e futuras, através de sua arte: os sentimentos, as idéias e os fatos mais relevantes de seu contexto histórico específico. Não é uma tarefa fácil. Exige, não somente a técnica, mas,para acima de tudo, uma habilidade natural, uma vocação.

O poeta louva e elogia o belo, porém da mesma forma censura e critica o inestético. (Johannes de Silentio)

Eu acredito na poesia, no poder da poesia; nessa poesia que você faz, que eu faço e que muitos amigos virtuais nossos fazem. É através dela que criamos, cultuamos e disseminamos sabedoria e mostramos um norte para o amor, para a amizade e os caminhos da reflexão à humanidade para um arrumar, um redefinir-se quanto ao horizonte a ser seguido.

E cada um de nós tem uma missão aqui na terra. E cada um de nós é um pequeno Cristo; por isso, sofremos, somos espoliados, maltratados e negados, porque a nossa palavra, o amor, é algo de pouco valor nesse mundo consumista, imediatista e de existência conturbada.

Mas, a exemplo daquele beija-flor, que, sozinho, tentava apagar o incêndio na floresta na qual vivia, seguimos apagando incêndios e espalhando sementes de sabedoria para que a humanidade seja capaz de ser feliz, superar, vencer suas dificuldades, seus traumas e os problemas que a afligem.

(José Valdir Pereira)      

 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário