o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Quem pode dizer mais...




"...E desse amor quem pode dizer mais que o silêncio que nos toma conta,
 toda vez que nos damos ao nosso desejo de nos amarmos...?
...E como viver sem esse amor, que nos toma mesmo assim, 
nessa distância que parece não haver, 
pois me sinto dentro de ti e entregue aos teus abraços e beijos, 
em cada amanhecer?"(jose valdir pereira)

domingo, 30 de outubro de 2011

Sobre o caminho e a caminhada...

Eu sei que o caminho é longo e que a caminhada é cheia de altos e baixos;
mas sei, também, que com amor, compreensão e tolerância, 
serão vencidas, 
as dores, as tristezas e a distância!
(jose valdir pereira)

sábado, 29 de outubro de 2011

Amo tua timidez



Amo tua timidez; 
está nela todo o teu charme...
desperta meus desejos de te amar...
então que sejas sempre assim, porque o amor, 
cheio de manhas e de múltiplas faces, uma mais imperceptível que a outra...
deu-me para te querer assim...tímida!
(jose valdir pereira)

29 de outubro: dia nacional do livro


Você sabe por que comemoramos o dia Nacional do Livro no dia 29 de outubro? 
Por que foi nesse dia, em 1810, que a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para o Brasil. 
Neste dia foi fundada a Biblioteca Nacional e esta data escolhida para o 
DIA NACIONAL DO LIVRO.

O Brasil passou a editar livros a partir de 1808, quando D.João VI fundou a Imprensa Régia e o primeiro livro editado foi "MARÍLIA DE DIRCEU", de Tomás Antônio Gonzaga.


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Que seja o amor a prevalecer...


De tudo que ainda possa haver em mim, que seja o amor a prevalecer;
e que dele provenha a origem da minha fortuna;
a minha maior conquista...
e todos os bens que couberem na minha alma...
...e, igualmente, o coração que acreditar no meu amor!
(José Valdir Pereira)


Desperta-me, então voarei alto e rasante,
Correrei todos os riscos,
para ficar perto da tua alma e merecer teu coração,
Meu desejado e último abrigo!

 

 (José Valdir Pereira)

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Pensamento do poeta


"Não acredita que um ser supremo pode lhe ajudar?
Não queira precisar para saber!"
(jose valdir pereira)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Quando nem mais uma estrela houver...



 Quando nem mais uma estrela houver...
 
No tempo em que não mais encontrar flores...
 
E no tempo em que não mais vir brilhar no céu o reflexo do rosto teu,
 e 
seja impossível uma mulher um homem amar,
 
assim como te amo...

 
E quando Deus resolver desfazer Sua criação,
 
tomar-me o amanhecer, a aurora, e dar-me o entardecer da vida,
 meu último suspiro...
 
nem que tudo isso aconteça, vou desistir do nosso amor.

 É que como
te amo, não se ama assim toda vez;
 
e não é o quanto me amas que importa:
 
é o quanto do meu amor desfrutas por me amares!
 
(José Valdir Pereira)


No seu fazer com amor...



 O espetacular em tudo que fazemos com amor 
 é que descobrimos o quanto a vida é bela...

 
Num jardim, todas as flores são amadas,
 bem cuidadas pelo jardineiro, 
 a nenhuma pertence e nem tampouco é delas...

 
E o que pode pretender o jardineiro em meio a tantas flores,
 
senão amar a todas e nenhuma preferir?

Eis o seu deslumbramento, no seu fazer com amor: 
cuidar, cativar e, por isso, ser amado, indistintamente, por elas.
(josé valdir pereira)


Para o amor renascer em nossos corações



Derramemos amor que a humanidade florirá jardins,
 
e serão milhares os beija-flores;
 
façamos jardins e as flores irão perfumar nossas vidas,
 
dar beleza aos instantes,
e, inebriados, de bem com a vida,
 d
eixaremos, outra vez,
o amor renascer em nossos corações!
 
(José Valdir Pereira)

As belas flores do meu jardim...



 E o beija-flor, sempre pressuroso, perguntou ao jardineiro,
 
causa de tamanho esplendor, beleza e perfume das flores daquele jardim...

 
E, nessa inusitada vez, eivado de encantamento, respondeu-lhe:
 
Não acredito que seja eu a fazê-lo, beija-flor;
 
são as mãos de Deus...
 
E oxalá eu seja digno dele...

 
O beija-flor, à sua maneira, alegre e brejeiro,
 
beijando algumas flores e, como sempre, fugaz, sumiu...!

 
(José Valdir Pereira)



Pensamento do poeta

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Desperta-me...



Desperta-me, em tuas mãos, no teu corpo!
Então voarei alto e rasante...

Correrei todos os riscos, para ficar perto da tua alma...
E merecer teu coração, meu desejado e último abrigo! 
(José Valdir Pereira)

Acolhe-me mais vezes!

...E se de tão ardente e amante, não te satisfazeres,
de só em derramar em teu corpo meus desejos,
que os faço escorregar em desalinho,
pelas tuas curvas tão minhas,
acolhe-me em vezes infindas!
(jose valdir pereira)


A doçura do mar





O mar encheu-se de doçura com as lágrimas do jangadeiro,
Enquanto as ondas o embalavam desfazendo sua dor!
( José Valdir Pereira)


Apenas letrinhas...




Porque ainda não te beijei...

                  
Porque ainda não te toquei...


                               
Sou só isso: apenas letrinhas nas linhas!


                                                 
E só vou ser poeta, quando fores minha!
                                                             
(José Valdir Pereira)

Porque esperar é loucura...

 Onde estavas que eu não te achava...
 Por onde andaste que não me encontravas...
 E que desejos são estes que me desmancham em ti...
 e como conter a ânsia de mergulhar em teu corpo...
 E o que vou fazer nos próximos segundos sem ti...
 Que nos amemos assim...
 Porque esperar é loucura...
 Vem, deixa que eu te toque...
 Deixa que meus lábios dêem partida à minha loucura...
 porque depois é outro instante, é outro momento, é outra vez! 
(José Valdir Pereira)


A flor e o beija-flor




Nem bem amanhecera, titilando como das outras vezes,
 
afoito e fugaz, querendo logo se refestelar, chega e,
 
de bem pertinho, contemplando-a, elegantemente, diz:

 
Dar-te-ei, de vez, toda a minha riqueza; peço-te, entretanto,
 
que não fiques com ela, mas a dê para o teu maior amor!

 
A flor ficou reflexiva, deixou que o segundo seguinte se fosse,
 
e respondeu-lhe: então fica com ela, porque, se me alcançar, devolvê-la-ei.

 
O beija-flor encontrara a sua predileta flor!
 
Não disse, mas era a que mais beijava,  com quem mais tempo ficava e,
se longe, depressa voltava. A essa, ele verdadeiramente amava!
 
(José Valdir Pereira)

Quão pouco me amaria, se não te amasse!

Não saberia cultuar as flores, 
se não tivesse aprendido a amar, te amando; 

não saberia apreciar o canto dos passarinhos,
a beleza do amanhecer, o solene repouso dos corpos à mercê
do amor feito, a beleza do orvalho beijando a flor, se não tivesse
aprendido contigo a ver o universo através da beleza da tua alma;

pouco compreenderia o valor da amizade, se não desfrutasse da tua;
e quão pouco me amaria se não te amasse!
(José Valdir Pereira)


A beleza dos gestos...


 
A delicadeza, a gentileza e a elegância nos gestos
 são componentes indispensáveis ao contentamento do coração.

 Quem já não ficou feliz porque alguém, desinteressadamente,
 lhe exprimiu um sorriso?

 
E um aceno, deixando sair um "olá!",
 um "tudo bem?"... Que tal, não é aprazível?

 
Se soubessem os pais,
 
a escola, e quem têm a responsabilidade de educar,
 
jamais olvidariam nos currículos
 
a listagem de objetivos educacionais
 voltados à consecução de resultados que contemplem
 o desenvolvimento dessas atitudes nas crianças,

 
nos jovens e até nos adultos.

 
Procuro, nos meus versos,
 
na minha poesia e nos meus pensamentos e frases,
 
deixar um pouco da mensagem do amor
 
e da necessidade de semearmos
 
atitudes que possam alterar,
nem que sejam pedaços de lampejos de um coração amoroso,
os desígnios da humanidade, que, nos últimos tempos,
 está perdendo a beleza da convivência
 e a razão maior da nossa existência,
que é o amor!
 

 
(José Valdir Pereira)


De onde vem a beleza das flores...

Sempre haverá, embora não pareça e tampouco se veja,
uma bela mulher nos jardins...
...e as flores,
porque dela emprestam toda sua beleza
e seu inebriante perfume,

a estarem sempre alegres, viçosas e verdejantes...
(José Valdir Pereira)

Na minha aflição de estar só



Quando a solidão aportar na minha derradeira aflição de estar só,

é o que sempre acontece quando tu te vás, convicta de ter-me enfim vencido e, por isso, fizer-me vê-la festejar sua glória ante meu último suspiro, porque, além de ti, me foram todas as flores,  

terei nas sementes a certeza de um novo recomeço... 

e, teimosamente, por amar-te, dar-me-ei a ti outra vez!

(José Valdir Pereira)

Da saudade...



Vou transformar minha saudade em afagos
e deixar que dêem asas aos pensamentos
e acariciem teus lábios nesta noite, até o amanhecer...
se deixares, tocarei teu corpo
e será eterno o momento que nos envolveremos...
e em todos os beijos,
deixarei meu gesto de amor e minha forma de amar!

(José Valdir Pereira)

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Desagarra-te




                                                   Desagarra-te de tuas ambições materiais;
dos teus sonhos velhos... 
experimenta, agora, pensar à luz da leveza do voo da gaivota em alto mar;
não ignora e enxerga o esplendor do amanhecer na beleza dos teus pensamentos e, absorto, percorre jardins, envolva-te com as flores; 
passeia na floresta e envolva-te com a vegetação, igarapés de águas cristalinas, arbustos que tocam o céu, peixes coloridos e passarinhos gorjeando sons de amor à natureza;
corre toda a encosta que te passa pela mente e contempla os sons que se misturam com a beleza da espuma que criam as ondas do mar; 
solta-te, deixa essas amarras sumirem com o teu renascer...
desprende-te dos teus sonhos caducos...
A chance aparece e some para outra vez, só quando nova estrela nascer...
e o amor tentar outra vez!


(jose valdir pereira)





Reflexão!


Não é preciso que haja amantes para o amor sobreviver...
É preciso que sejamos amantes de nós próprios...
Senão, não vamos saber amar!
A mão amiga, um coração gentil, um jeito especial de ser, de amar, faz a diferença...
A amizade tem mais valia...
É capaz de gerar grandes amores...
O amor com amizade fortalece o amor à vida!
A eternidade do amor está na paz e na confiança que ele inspira!
Ninguém será um grande amor se não sabe cultuar uma grande amizade!
(jose valdir pereira)


domingo, 23 de outubro de 2011

Rosa



Viver exaustivamente todos os momentos de minha existência,
a procura de quem saiba e possa me fazer amado,
sempre amado e eternamente amante,
parece ser o desejo ardente que encerra o meu coração.

Que caminhos percorrer?
Que rosa procurar?
Eu não sei.

O que sei é que, ali, em algum lugar, existe uma rosa.

Assim, pura, alegre, singela, e, sobretudo, rosa.

Tão rosa quanto àquela que perfuma,
suaviza, resplandece e que faz ressurgir o amanhecer, a vida.

Tão rosa quanto àquela que procuro.
(josé valdir pereira)





Amantes



Com ternura e muito carinho tiveste-me como teu amante
e me fizeste senhor do universo,
O mais feliz dos homens.

Mergulhado no seio da tua boca e no meio do teu corpo,
tragado por teus desejos,
dominado por teu descomedido amor,
amei e fui amado.

Fiz carícias e o teu corpo de tanto querer sugou-me muitas vezes.

E os nossos corpos, cansados e suados,
inseparáveis qual nossas bocas,
desenhando a solidez do nosso amor,
definiram o significado destes amantes que somos.
(jose valdir pereira)


sábado, 22 de outubro de 2011





Um dia qualquer, se quiseres me encontrar, veja as flores, é nelas o meu lugar, é delas o meu perfume, a maciez da minha pele, a meiguice do meu olhar. Nada que não seja delas é meu e tudo que posso vir-a-ser delas virá; das flores vivo e só a elas sei amar! (josé valdir pereira)





Para ti








Conserva essa amor que tens no coração; demonstra que gosta de ser amada e de amar; mostra-te ao amor que cultivas, ao que te entregas, ao que te faz vida... Trata-o com se fosse uma flor em tuas mãos, enchendo suas pétalas de afagos e ternura e vida;

não deixa de regá-lo, querê-lo sempre, e dele cuidar como cuida o teu amigo diário, esse companheiro e indispensável confidente de todas as horas; Ao teu amor, mesmo o que demora a chegar, ou que tarde chegou, faça-lhe carinho, dê-lhe motivos para se sentir feliz, nada peça e nem lhe faça cobranças; o amor não é um negócio, uma troca; dá quem o tem e o recebe quem é amado.

Se não tens a quem amar e se não és amada, deixe que teus olhos, teu sorriso, teu jeito de ser e de viver, teus gestos, digam por ti... às flores, aos amigos, aos que admiras e queres bem...

Mas, não te preocupes, exageradamente, com isso. Todos vêem e sentem quando há um coração sozinho e entreluzindo no azul celeste do universo, morada do suave, sutil e sensato amor...não todo e qualquer amor que imaginamos haver no coração...

A presença de um coração amoroso, cheio de nobreza e romântico, chega sutil e sem alarme, é quieto e sábio, pois sabe vencer o tempo e a espera, e não se perde na agonia da demora, da entrega inesperada e sem horizonte... Conserva esse amor que tens no coração...És tão bela e airosa... Tanta ternura e carinho tens no teu olhar...no teu sorriso...no teu jeito de andar...

E são tão singelas tuas mãos, teus pés...
...e quando caminhas, tem teus pés a graça das nuvens que beijam o céu e a singeleza do vento que sabe tocar com ternura as pétalas das flores que vivem nos altos penhascos das mais longínquas regiões montanhosas...
Tu és a canção que dá felicidade, que dá alegria à natureza e que faz os passarinhos entoarem seus cantos de amor...quando estão apaixonados...
Tudo em ti é esplendor, graça e amor! Então, que o amor te encontre assim do jeito que és...do jeito que tens que ser amada e amar! Porque tu és o próprio amor disfarçado de amor!
(jose valdir pereira) 




Onde estás, amor?

Sigo, paciente, sozinho,
percorrendo caminhos que dissipem minha dor.

Caminhos que me consolam,
com o esplendor de suas rosas,
manhãs ensolaradas,
e com o perfume que o vento traz do meu amor,
que não sei,
não vem...

Em cada caminho, não me são ausentes
as maravilhas da vida...
Tenho, também, a beleza da noite por companhia.

Do céu, o brilho que vem,
toca meus pensamentos,
com a ternura de uma flor,
fazendo-me ir ao encontro do meu amor,
que, de lá, de não muito longe,
há de vir, aos meus beijos,
desfazer minha dor.

Ah! querida minha,
por que estás distante e demoras a chegar?
Que caminhos e quantos devo ainda percorrer,
para ter-te em meus braços e não mais sofrer?

Diz-me,
és a estrela que não posso alcançar,
ou és a esperança por quem devo caminhar?

Onde estás, amor?
Dá-me o teu caminho,
ou venhas pelo caminho que vou.
(jose valdir pereira)

É melhor não arriscar...





Preparando-se para sair, dar uma volta, ir trabalhar, um passeio, ao cinema? 
Quer evitar se aborrecer, não se irritar facilmente? 
Sabe como é que é, por aí, nesse mundo de tantas idas e vindas...de repente, aparece...

Bem! Faça o seguinte: pegue três pacotes de paciência, beba um copo cheio de tolerância, duas colheres de chá de amabilidade, faça o sinal de cruz e pronto.
Se por ventura alguém ou algo impertinente ameaçar perturbar sua calma e sua paz, pense no que você fez em casa para ficar imune de qualquer incursão externa. (josé valdir pereira) 

Por quê?






Por que te quero, te desejo e não te tenho?
Será que não te tenho mesmo?

Quem sabe, são meus teus pensamentos, teus desejos,
tuas saudades, lembranças e me fazes povoar teus sonhos?
...E o que dizer do quanto sou de ti...
nesses desejos, nessas lembranças e nesse sonho de ter, meu amor, minha amada...você!
Quando não temos lembranças para recordar,
sentimos desejos para viver e ser um amor desejado e querido
nos braços de alguém...


E de tanto querer, pode acontecer, se não agora, um dia...
e sem que percebamos, vivermos momentos presentes,
de dias pensados, sonhados e acolhidos pelo coração, venerado coração,
 que, atento às nossas emoções, aos nossos apelos,
faz com que tudo se conspire em prol de um grande amor,
nosso amor!
 (jose valdir pereira) 





Escolheste a mim...

Escolheste a mim,
desajeitado e acostumado
com as coisas simples da vida,
pouco atrevido,
mas sem escrúpulo no
exercício do amor

Queres a mim,
sem rodeios e por completo,
possuir-me de qualquer forma,
em qualquer lugar.

Assim, mesmo com tanta roupa,
ou com pouca liberdade,
no meio dessa multidão,
que está a espreitar
o nosso iminente mergulho
nas profundezas do amor.

Escolheste a mim...
Agora...
Cuida!

(jose valdir pereira)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Pensamento do poeta


Se houver jardim, estou entre as flores; quando o perfume das rosas invadir teu quarto, estarei por perto; vais sentir meu cheiro; sou das flores!(josé valdir pereira)

...E de tanto contentamento, meu coração se entrega de vez a ti!
(Jose valdir pereira)


Na eternidade do momento...




Passeias faceira na ternura dos meus carinhos.
Eu, embriagando-me na doçura desses lábios de mel, quase chego a enlouquecer.

E nesses seios, abrigo, aconchego,
achego e depois adormeço,
ao amanhecer.
  
Mas logo,
ao tocar teus seios com carinho, tu segues docemente, deixando-me extasiado em desejos, e, arrebatado no prazer do toque avassalador, no gemido do amor,
sem ânsia e sem dor...
 (josé valdir pereira)


Êxtase e Agonia



Quando se tem um grande amor, nada se quer, além saber.
Nem da angústia e tampouco da tristeza, sem poder.
É doce o fel que amarga,
alegre o sorriso que chega sem ela querer.
  
É que o desejo do amor não conhece limites,
e mesmo amargo, se assemelha a favo de mel,
à beleza de uma flor,
quando tocada pelo angelical orvalho do amanhecer.
  
É que, no amor,
tudo se pode,
sem limites,                    até sofrer.
Sentir dor.                                        Morrer.

                                                   (josé valdir pereira)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Do amor mendigo...


De onde vens tu, que, de repente, apareces, desterrando-me da minha vã solidão, amiga inseparável, que me soterra noite à dentro de desvairado prazer?

Que enxergas em mim de tão especial, se nunca me dei conta que algo carrego de valioso, a ponto de convencer alguém a se haver nos meus braços, desfrutar dos meus ardentes beijos e me ouvir nos fartos e desajeitados sussurros de amor?

Onde queres chegar tomando-me por teu amor, para te amar, eu, sem modos e sem jeitos, se nem sei o quanto amo a mim, para amar-te, amar a ti, enfim?

Qual manhã vai te colher se me tiveres, se ainda nem vistes quão fascínio desperto nas minhas noites de amor, quando me entrego ao prazer de ser, de pertencer, de esmaecer sobre o corpo das minhas amantes?

Então, de onde vens, pouco importa saber? Decerto vens de onde se aprende a amar moribundos, vagabundos, desesperados e os acostumados com as sobras dos amores rejeitados?

E então, pelo que está posto, por assim ser, toma-me, pois, e me conta fazendo, o que sabes fazer...
(jose valdir pereira)

A mais bela...


"...A mais bela de todas as expressões da mulher, que exprime desejo e fascínio, se enrijece quando a toco com a ponto da minha língua molhada; 

se assanha com o toque dos meus dedos; dá-me afagos, que meu corpo enlouquece; 

é o desejo supremo da prole que vinga; 

é o rumo do caminho, do meu desejo em desalinho; 

é, de todas, a maior beleza sagrada das fêmeas de Deus!

Teus seios nos meus lábios, na tomada da essência da vida... minha.(jose valdir pereira)