o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Na eternidade do momento...




Passeias faceira na ternura dos meus carinhos.
Eu, embriagando-me na doçura desses lábios de mel, quase chego a enlouquecer.

E nesses seios, abrigo, aconchego,
achego e depois adormeço,
ao amanhecer.
  
Mas logo,
ao tocar teus seios com carinho, tu segues docemente, deixando-me extasiado em desejos, e, arrebatado no prazer do toque avassalador, no gemido do amor,
sem ânsia e sem dor...
 (josé valdir pereira)


Nenhum comentário:

Postar um comentário