o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Do amor ingênuo, puro e sincero...






Dei-te uma flor amarela,
e quando chegou às tuas mãos,
dei-me a ti, também, moça formosa e bela,
dei-te, também, nessa hora, meu amor, meu coração...

É tão gostoso viver te amando assim...
por entre as flores, nessa relva, nesse ninho, nosso aconchego,
nos teus beijos, nas tuas carícias, 
no teu, do meu jeito, com todo esse fervor...

Porque preciso de ti, como vive a precisar, 
o orvalho, a flor, 
a canção, o cantor, 
a poesia, o poeta...
o mar, os rios,
os rios, lagos e igarapés, 
e eu... o teu amor,
amada e desejada moça-mulher.
(jose valdir pereira)


terça-feira, 1 de maio de 2012

Derrama tua essência...







Derrama tua essência no meu corpo
 e absorve meu desassossego 
para dentro da tua alma, 
e me acalma...
desterra-me dessa prisão de te querer, 
implacável e impossivelmente...
ensina-me a seguir outros caminhos que não os teus...
a ver outros olhos, a sentir outros perfumes, a desviar-te dos meus desejos, 
a tirar-te do meu rumo, da minha rota...
diz palavras ásperas, maltrata-me, fere meu coração...
talvez, assim, despertes, em mim, 
a possibilidade de enxergar meus devaneios, 
minha ilusão, minha desesperança... 
e, de tão óbvio o estado que virá para que eu veja, 
desse emaranhado de idas e vindas, 
o pouco ou nada que poderá haver, 
me diga para ficar longe de ti, 
do meu querer te amar!
(jose valdir pereira)