o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

domingo, 23 de outubro de 2011

Rosa



Viver exaustivamente todos os momentos de minha existência,
a procura de quem saiba e possa me fazer amado,
sempre amado e eternamente amante,
parece ser o desejo ardente que encerra o meu coração.

Que caminhos percorrer?
Que rosa procurar?
Eu não sei.

O que sei é que, ali, em algum lugar, existe uma rosa.

Assim, pura, alegre, singela, e, sobretudo, rosa.

Tão rosa quanto àquela que perfuma,
suaviza, resplandece e que faz ressurgir o amanhecer, a vida.

Tão rosa quanto àquela que procuro.
(josé valdir pereira)





Nenhum comentário:

Postar um comentário