o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

sábado, 22 de outubro de 2011

Onde estás, amor?

Sigo, paciente, sozinho,
percorrendo caminhos que dissipem minha dor.

Caminhos que me consolam,
com o esplendor de suas rosas,
manhãs ensolaradas,
e com o perfume que o vento traz do meu amor,
que não sei,
não vem...

Em cada caminho, não me são ausentes
as maravilhas da vida...
Tenho, também, a beleza da noite por companhia.

Do céu, o brilho que vem,
toca meus pensamentos,
com a ternura de uma flor,
fazendo-me ir ao encontro do meu amor,
que, de lá, de não muito longe,
há de vir, aos meus beijos,
desfazer minha dor.

Ah! querida minha,
por que estás distante e demoras a chegar?
Que caminhos e quantos devo ainda percorrer,
para ter-te em meus braços e não mais sofrer?

Diz-me,
és a estrela que não posso alcançar,
ou és a esperança por quem devo caminhar?

Onde estás, amor?
Dá-me o teu caminho,
ou venhas pelo caminho que vou.
(jose valdir pereira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário