amor

amor
Do amor divino. Do amor poético. Quando estamos guiados pelo amor de Deus, tudo encerra muita alegria e muita paz!

domingo, 20 de setembro de 2020

O preço da longa caminhada...

 O PREÇO DA LONGA CAMINHADA SOB OS DESÍGNIOS DE DEUS, POR SER PARTE DO SEU POVO


Depois de algum tempo, anos decorridos de alegria e de sofrimentos, afinal a vida não é feita só de mel, aprendizagem com os sábios e com as lições da vida, você pensa: pronto. Ainda bem que essa história tem um ponto final. Ledo engano.

Aí, você passa então a ver as duras e imprevisíveis metamorfoses porque passou a humanidade, seus amigos, o meio ambiente e os santos do céu e da terra. Os outrora amigos, gente acima de qualquer suspeita, saem do armário.

Os mais velhos revelam suas verdadeiras ideologias, os santos na verdade eram comunistas e os coroinhas se fizeram padres pedófilos, as comportadinhas feministas e os bonzinhos, piores que Hitler, Mussolini ou Joseph Stalin.

A amizade é posta à prova e os amores escassos.

A família em decomposição e bagunçada e as escolas, uma bagunça. É na bagunça que o mal é gentilmente semeado e instalado. A igreja perde o prumo e o rumo e os católicos ficam sem liderança. Na instituição de São Pedro, todo mundo dá ordens: padres, bispos e diáconos.

A velhice chegou (nada de melhor idade. Não entendo como um idoso, envelhecido e com as dores acumuladas, decepções e doenças da idade, está na melhor idade.), e os filhos pensam que lugar de idoso é cuidar dos netos ou em um asilo.

Quando é o amor, o melhor bem que a velhice construiu, esse bem é pouco cultuado e dos seus olhos saem lágrimas, mostrando a dor do seu coração pela equivocada opção da humanidade, ao desprezar o maior sentimento que Deus deu ao homem.

Ninguém se relaciona mais por amor, mas por interesses. Até as mais densas, seguras e inabaláveis (outrora) amizades sucumbem; os eternos amores, renunciam às bênçãos de Deus, as boas almas se endemoninham por causa dos 7 pecados capitais e as santas, algumas, descem do altar, tentadas pelo gosto do pecado mundano.

Por isso, que parte da humanidade, aquela ainda incomum, prega e espera a vinda de Jesus Cristo. Fazer o quê, não sei. Penso que ele poderia fazer o que tem que fazer lá do céu mesmo. Sabe lá se não vão crucificá-lo de novo, humilhá-lo, bater no seu rosto, rejeitá-lo e preferir a Barrabás?

Como saber a quem namorar, se sou hétero e está difícil saber se a quem desejo namorar, já tem namorada ("a namorada, tem namorada")?

Como saber se o amor é verdadeiro, se quem jura de joelhos que me ama, tem um caso virtual?

Como acreditar na amizade do vizinho, se ele vê o ladrão roubar minha casa e nada faz?

Como não desconfiar na pessoa amada, que tem lábios de mel, abraços confortantes, voz suave, olhos pequenos e boca profunda, jeito de princesa, mas que, de repente se descobre que era tudo por conveniência?

Cadê os filhos que foram tanto amados, cuidados? Não deixem seus pais órfãos. Aos invés de deixarem seus pais cuidando dos netos, leve-os, seus pais, para passeios, viagens, diversões e deem-lhe uma vida melhor, de qualidade.

Como acreditar na existência do amor puro, verdadeiro, indelével e divino, onde o que Deus uniu em nome desse amor, ninguém pode separar, se tudo termina numa vala ou nos tribunais?

Ah, isso sim! Louvado seja.
Feliz de quem, nessa travessia, ganhou de Deus uma companhia amorosa, fiel e gentil, capaz de garantir a unidade que os dois se prometeram, até os fins dos tempos, onde nem o céu nem a terra os separarão.

Amém.




sábado, 19 de setembro de 2020

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

A bondade de Deus

 


Deus, que é amor, que é bom, 

está cuidando para que 

a vida do seu povo se normalize!




Nem a morte os resilia...


Linda, e mais linda ainda, quando era encontrada pelo prazer do amor, 
ao deixar seu rosto parecer inocente e ingênuo, 
como se fosse a primeira vez a viver a vida do lado luxuriante.
 
Era suave sua maneira de deixar-se ser levada
pela gulodice do seu corpo e pela veleidade
e sofreguidão do seu coração.
 
Nascer de novo, em um renascer pueril,
era sempre o que exprimia seu olhar quando de olhos abertos, 
tipo uma deusa, expressava seu prazer intenso e pleno, 
como se estivesse a sentir nos lábios
o doce mel da seiva virgem dos indizíveis pomares.
 
E quanto mais o amor olhava para o amor, o amor sentia o amor, 
o amor se entregava ao amor, tornavam-se intermináveis os desejos, 
o prazer e a entrega plena dos corpos,
da alma em ebulição e dos corações em êxtase.
 
De saber ou ver que poder-se-ia prever o fim ou seu limiar,
ledo engano. Era inesgotável o amor que viviam,
eram inacabáveis os desejos que os conduziam e, nem o tempo, 
o tempo da noite ou o tempo do dia, podia conter a completude do amor que havia.
 
Nessas horas, nem a morte os resilia.

- jose valdir pereira -

 








 

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Amor e gratidão - É de paz que eu preciso!

 AMOR E GRATIDÃO

Bendito seja o Senhor, pois ouviu as minhas súplicas. O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda.

Salmos 28:6-7


Este é o dia em que o Senhor agiu; alegremo-nos e exultemos neste dia.

Salmos 118:24




quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Quero que você me ame...


Quero que você me ame como eu quero lhe amar.

Que eu seja o mais importante na sua vida, como na minha você será.

Que a admiração um pelo outro seja contante e que o amor esteja acima de tudo e que nada o suplante.

Que você me ofereça sem que eu lhe peça, que me abrace sempre com muito fervor,

que aja sempre amor e acolhida no seu jeito de olhar,

que seus lábios tenham sempre o mesmo sabor,

e que esteja ao meu lado, por mim e comigo em qualquer lugar ou circunstância, 

onde quer que seja ou for.

Quero que caiba no meu abraço e me acolho nos seus beijos, beijos de amor.

Quero que seja feliz ao meu lado, mas que quando não estiver, diga-me e me instrua onde devo melhorar.

Afinal, quero que você me ame da mesmo forma que eu quero lhe amar.

- jose valdir pereira - 




terça-feira, 15 de setembro de 2020

Pode ser que me ame

PODE SER QUE ME AME
Ela pensa que me ama.
Talvez. Vejamos.

Se diz que eu sou o homem mais lindo do mundo logo cedo, quando nem bem desperto, estando daquele jeito, pode ser que me ame.

Se aceita meu carinho a toda hora, meu abraço e as palavras de amor que chegam aos seus ouvidos a qualquer hora, ou quando as digo no olhar, pode ser que me ame.

Se deixa ser amada, quando estou com aquele tesão todo que ela sensualmente desperta, e o faz com prazer e gosto, pode ser que me ame.

Se gosta de ser abraçada por mim, por trás, como adoro fazer, quando ela está fazendo algum petisco na cozinha ou em outra ocasião qualquer, então, está certo.  Pode ser que me ame.

Se deixa que eu participe de sua vida, influenciando nos seus afazeres, dando palpites e opinando, permitindo que, às vezes, ajam o destaque de pontos negativos e não somente dos positivos, pode ser que me ame.

Se assistimos o mesmo filme comendo pipoca, o mesmo programa de televisão, passeamos no shopping juntos, viajamos, conhecemos lugares e desfrutamos das férias, um na companhia do outro, pode ser que me ame.

Se sentamos na sacada tomando aquele chopp ou um delicioso vinho, uma vez ou outra, até mesmo na companhia de uma pizza, pode ser que me ame.

Quando disser que não estou bem e logo me socorre, dizendo, carinhosamente: o que você tem, benzinho, meu amor?, pode ser que me ame.

Se gosta que eu lhe acorde com um beijo no rosto, dizendo: bom dia, minha princesa amada. Então, é claro que...Pois é! Pode ser que me ame.

Se cuida de mim e deixa que eu cuide dela, Tim Tim, por Tim tim, pode ser que me ame.

Se conhece meus gostos e os atende e deixa que eu conheça os seus e deixa-me satisfazê-la, sempre no todo, jamais em parte, pode ser que me ame.

Se no leito que nos acolhe, faz questão de que lhe abrace e faça os chamegos de amor que tanto os deseja, quer e os implora, sem nada dizer, pode ser que me ame.

Se não me acha um chato, mesmo sendo, mas nunca me qualifica como tal, pode ser que me ame.

Se não reclama de pronto, deixando pra tecer suas amáveis considerações depois, pode ser que me ame.

Se me faz o homem mais feliz do mundo e se acha a mulher mais feliz do mundo, pode ser que me ame.
(...)
Se não reclama dos meus defeitos e realça minhas qualidades, pode ser que me ame.

Se gosta de flores e as aceita sempre que as oferto-lhe, dizendo-me: que lindo, meu amor!


Pois é! Aí, tá!


Pode ser que me ame.


- jose valdir pereira -




- jose valdir pereira -


 APENAS A VI (A)...


Uma vez eu a vi lá do outro lado. O rio não tinha uma margem distante da outra, mas eu apenas a vi.

Outra vez eu a vi sentada em um dos bancos da praça. Próxima estava de algumas plantas que davam a cor de um belo verde ao jardim, na companhia de algumas flores, mas eu apenas a vi.

Não só essas vezes a vi. Certa ocasião, a vi passar por mim, passos brandos e elegantes, atenta à beleza da paisagem que havia, onde a sua se apresentava com igual ternura e brilho. Mas eu apenas a vi.

Depois, eu a vi nos meus sonhos, nos meus pensamentos e nos meus devaneios. Era tudo tão real! Mas eu apenas a vi.

Agora, sua imagem não me sai da imaginação; e todos esses momentos que a vi, estão, o tempo todo, em minha mente, como a me convidar para que eu a veja, não só apenas a veja, mas que diga-lhe o quanto de encantamento e de emoção vivi, ao vê-la, do ouro lado do rio, no banco da praça, quando passou por mim e nos outros momentos, e o quanto me ocorreu, qual não era meu afã e inenarrável desejo, senti-la nos meus braços, amá-la, enquanto eu apenas a via.

- jose valdir pereira -



segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Tempos preciosos, que dignificam a humanidade

TEMPOS QUE NÃO PODEM SER PASSADOS, ESQUECIDOS, LARGADOS -Tempos preciosos que dignificam a humanidade.

Há dois assuntos recorrentes que dominam impiedosamente a opinião pública de forma inexorável. Um, diz respeito aos ataques que a mídia incursiona sobre o executivo, com uma certa cooperação dos outros poderes, que agem de forma discreta (um deles, nem tanto). O outro, é a intempestiva pandemia Covid 19, que amedronta e destrói a paz da família, causando destroços e muita desordem na sociedade, em todos os aspectos: políticos, econômicos, religiosos, morais, intelectuais, entre outros.

Isso tudo, dispersa todos nós das situações e momentos que guardamos ou levamos conosco, na alma e no coração, dando-nos à mente o trabalho de pensarmos sobre certas coisas que ainda guardamos em nossa memória, porque nos ligam aos valores morais e culturais genuínos e advindos dos mais longínquos tempos, passados de gerações em gerações, de tradições em tradições.

Um amigo, médico e escritor, escreveu uma história que está publicada em um de seus livros, abordando o tempo em que os sinos da catedral de sua cidade, eram tocados sempre, todos os dias, as 18 horas e, também, quando falecia alguém, residente na cidade. Esse gesto, bucólico e parnasiano, romantismo das províncias, onde todos se conheciam, sucumbiu ante os procedimentos modernos da época em curso, deixando para trás um legado cultural e religioso, impossível de ser esquecido pelos homens de bom senso.

Outro dia assisti o filme "Terra das Sombras", e, emocionado, vi algo que está ficando cada vez mais raro nos dias de hoje, na nossa cultura moderna. Nesse filme, acontece o casamento dos dois protagonistas. Ela, a protagonista, descobriu que estava com câncer e ele, um professor da Universidade de Oxford, já algum tempo seu amigo, jamais lhe havia dito que a amava. É que, nesse relacionamento de pura amizade, ele foi despertado para o amor, para amá-la, mas não disse, nunca se declarou para ela que a amava. Com a doença e por estar sempre perto dela, dando-lhe a assistência que o caso requeria, tendo sido informado pelo médico que ela morreria dentro de algum tempo, ele, inspirado em uma frase de um escritor que disse (o mesmo que disse: "a leitura é para sabermos que estamos sozinhos) que devemos dizer às pessoas que amamos, o que queremos, na oportunidade que temos, tipo: "eu te amo", "tu és alguém sem a qual eu não posso viver". Isto porque, amanhã será tarde. Tarde demais. E, talvez, não seja mais importante dizer. Ele, ao vê-la sobre o leito, doente, orientado pela leitura que fizera, pediu-a em casamento.

Bem! Foi emocionante ver a cerimônia de casamento, realizada por um padre, na presença de familiares e pessoas do hospital.

Sob a orientação do padre, onde ambos repetiam as palavras do celebrante, aconteceu:

Ela: eu, maria, recebo você, José, como meu legítimo esposo, deste dia em diante, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença, para amá-lo, respeitá-lo e obedece-lo, até que a morte nos separe.

O celebrante pede as alianças e, em seguida, pede para que ele repita:

Ele: eu a desposo, com meu corpo eu a adoro, com todos os meus bens mundanos eu a contemplo.

Em seguida, o celebrante, diz: o que Deus uniu em matrimônio, nenhum homem separe.

Amém!

Foi um tempo muito bom. Clássico. Cheio de nobreza e de contemplação. Um tempo que os costumes consubstanciavam os valores morais, religiosos, culturais, sociais e políticos da humanidade.

A oportunidade de ver o filme, deu-me à reflexão de algo muito importante. Além de não desperdiçarmos, no tocante ao romantismo, ao amor, a oportunidade de dizermos a quem amamos, que amamos, depreendi que as mulheres raramente pedem o homem, seu amor, em casamento. E, creio, às vezes, o homem, por ser desajeitado e tosco, despreparado nesse sentido, de pedir sua amada em casamento, faz com que demore bastante para acontecer o enlace matrimonial. Então, que o moderno traga uma mudança significativa para a efetivação do matrimônio.

Que a mulher, também, seja capaz de tomar a iniciativa de pedir ao seu homem, que se case com ela. tipo: meu amor, você aceita casar-se comigo?

Desse jeito, voltaremos a ouvir, mais vezes, os sinos da igreja soarem alegremente, anunciando um feliz casamento.

- jose valdir pereira -





domingo, 13 de setembro de 2020

Aviso

Aos amigos com os quais mantenho contato através do whatsapp, 

informo que estou sem usar o aplicativo, temporariamente.

Obrigado!



Da aspereza da ignorância...

DA ASPEREZA DA DESLAVADA VIDA

É tudo tão viril e abrasador no limiar, que chega a queimar o coração. Há aquele aperto na alma e a luz que acende a vida começa a mostrar-se cheia de falhas, em um acender e apagar-se constantes, como se quisesse ir embora, para no seu lugar, existir a amarga lembrança do amor que existira.

Tal qual a flor que no alvorecer de sua existência se apresenta airosa, bela e formosa, cheia de encanto e vida, mas que, com o passar do tempo, como lhe é destino, vai se definhando, perdendo seu brilho, seu perfume e sua beleza pueril e divina.

Assim como o caule da planta que ostenta orgulhosamente a frondosa copa que lhe doa beleza, porque sem ela ele não passa de um nada ereto, o amor deu-lhe brio e nobreza, momentos de ternura e prazer, fazendo-o sentir-se um nobre senhor na vida que lhe era o bem mais precioso entre tantos. Um amor sem o qual ele seria um nada, apenas isso.

É como a vida que tanto encerra o amanhecer e a sua ausência, no crepúsculo, a sentir-se longe da luz, à mercê da escuridão, que apaga o brilho da alma, deixa em letargia o amor no coração, ao se recolher para submeter-se, depois, às possibilidades de um outro renascer.

O que pode ser a vida, o amor, a paz e a esperança, do lado de fora do conhecimento, da experiência e da fé?

O tolo, o tosco, o obtuso, o alheio àquilo que deixou de ver e de sentir enquanto o caminho era iluminado e eivado de sabedoria, flores e uma infinidade de bons exemplos, de como poder aproveitar ao máximo o momento supremo de sua existência, vê-se, ao final, um desidioso, tragado por desrespeitar a importância da sua condição de ter sido concebido sob a sagrada bênção de ser a imagem e semelhança do Criador.

- jose valdir pereira -




quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Do sonho

 

Um dia, então, ela se pôs a desejar que um abraço chegasse depois um beijo e flores para alegrar seu coração;
desejou ouvir palavras de carinho, sentir gentilezas e galanteios, além de um olhar abrasador;
imaginou ter alguém para recebê-la na saída do banho,

abraçá-la com a ternura de um cavalheiro, a chamá-la de meu amor;
não esperou para sonhar e se imaginou tomada por momentos de amor, no alpendre cheio de flores e inenarrável fragrância do mais puro olor;
Em devaneios, absorta e sem noção de onde estava, viu-se de mãos dadas com seu amado, percorrendo a relva dos campos distantes, que uma vez sonhara;
De repente, então, despertou no seu leito, onde estava, ouvindo uma voz suave a lhe chamar de minha doce amada.

- jose valdir pereira -

 


domingo, 6 de setembro de 2020

Já é manhã...

 JÁ É MANHÃ.

É bom que ao despertares, tenhas o aconchego da beleza das flores.
É bom que o ar esteja perfumado.
É bom que sejas bem recebido pelo novo dia.
Teu coração se alegrará.
Lembrarás de Deus e dos teus amores, principalmente dos que se importam contigo.
Louvar a Deus nessa hora, é uma atitude sábia.
Agradecer, mais que pedir. Vislumbrar ser, mais que ter.
Desejar o bem.
Abrir o coração para o amor.
Ser bom e servir.

- jsoe valdir pereira -





sábado, 5 de setembro de 2020

O salmo do amor

 

Salmo 111: o salmo do amor

  1. Louvai ao Senhor. De todo o coração darei graças ao Senhor, no concílio dos retos e na congregação.
  2. Grandes são as obras do Senhor, e para serem estudadas por todos os que nelas se comprazem.
  3. Glória e majestade há em sua obra; e a sua justiça permanece para sempre.
  4. Ele fez memoráveis as suas maravilhas; compassivo e misericordioso é o Senhor.
  5. Dá mantimento aos que o temem; lembra-se sempre do seu pacto.
  6. Mostrou ao seu povo o poder das suas obras, dando-lhe a herança das nações.
  7. As obras das suas mãos são verdade e justiça; fiéis são todos os seus preceitos;
  8. Firmados estão para todo o sempre; são feitos em verdade e retidão.
  9. Enviou ao seu povo a redenção; ordenou para sempre o seu pacto; santo e tremendo é o seu nome.
  10. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; têm bom entendimento todos os que cumprem os seus preceitos; o seu louvor subsiste para sempre.

 


sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Gosto do silêncio

 

GOSTO DO SILÊNCIO

É meu melhor instante para sonhar e ver-te nos meus pensamentos,
com a calma e o sossego que a mente requer para te amar com toda a completude do momento...

Desde que apenas o som suave da chuva que possa cair nesse instante, o silêncio deixa-me ouvir as batidas do teu coração, os sussurros do teu corpo e a suavidade da maciez das tuas mãos buscando em meu corpo encontrar-me para satisfazer teus desejos...

Porque é no silêncio que me vejo no teu olhar, acariciado pelas palavras que tu não dizes, mas que eu posso ouvir, porque estão tomadas pelo prazer que encerram todos os sentimentos que exprime teu coração na posse do meu...

Nele, não há nada mais além da ânsia que vivemos nesses momentos de ternura, de entrega e de sofreguidão, por onde passamos a maior parte do tempo que nos amamos.

Gosto do silêncio, porque é mais profunda nessa hora a tua, a nossa existência no meu coração.

- jose valdir pereira -








E os outros poderes, que fazem de bom para o Brasil?

 Gostaria de ler alguma reportagem sobre o desempenho de atuação da Câmara dos Deputados Federais, do Senado e do Superior Tribunal Federal,  nos últimos anos, principalmente nos mandatos dos atuais presidentes. Esse Rodrigo Maia conduz bem a Câmara,  tem mobilizado a pauta do dia a dia da Câmara para ajudar o país? E o Senado, tem cumprido sua missão,  conforme rege a lei. E esse STF, o que faz para garantir a governabilidade do Brasil?


Visita animal


UMA VISITA CHARMOSA
de repente recebi a visita de uma lady.
Pediu-me para fazer uma selfie 


 

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Bom dia




Guarda tua língua do mal e teus lábios de falarem falsamente. 
Aparta-te do mal, e pratica o bem; 
busca a paz e empenha-te por conquistá-la. 
Os olhos do SENHOR contemplam os justos, 
e seus ouvidos estão atentos ao seu clamor por socorro.


 

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

 NOS MEUS ÁUREOS ANOS DE MINHA VIDA

Após certo tempo,
mesmo ainda quando o jardim está florido de beleza sem igual,
e exalando o melhor dos perfumes,
cuja essência inebria qualquer alma desolada,
até a mais ferida e desguarnecida,
e encanta os transeuntes que passam,
até mesmo os menos atentos às belezas da criação,
no tempo em que o que importa é a qualidade dos momentos,
porque precisamos de bem-estar, não mais apenas de lampejos e de instantes,
nos damos conta que é chegado o tempo da mais doce e pura existência,
àquela que agradecem a alma, a mente, o corpo e o coração.

Então, passamos a nos sentir bem quando vivemos entre pessoas gentis e cheias de pureza na alma, com nobreza nos gestos, àquelas que sabem viver o exercício da benignidade, da beleza da elegância no trato das coisas do dia a dia.

Difícil mesmo para quem chegou a esse tempo, o tempo da paz e da tranquilidade existencial, estando no tempo de desfrutar a vida, aproveitando, ao máximo, tudo de bom que ela tem de melhor, conviver com os adversos, os diferentes, os que jamais se importaram com as boas maneiras, as regras do viver em sociedade.

Costumo dizer que os gatos e cachorros são "a cara de seus donos". mesmo assertiva para os filhos, a maioria. Porque, há aquela exceção, às vezes, em uma família de dois ou mais filhos tem sempre um que é diferente em quase tudo. diferente para melhor.

Há que pensar, alguns, que não é bem assim. Bem, Confúcio dizia que o problema do sofrimento é que sempre somos obrigados a coexistir com os comuns, ou seja, com aqueles que esforço algum faz para elevar seu espírito, tornar-se pessoa educada, capaz de usar gestos e atitudes gentis e nobres, quando a ocasião requer, ou sempre e sempre, invariavelmente.

Elegância e beleza, no ser, no fazer. É quase que impossível alguém sem educação, não aquela que tem origem nas escolas, mas aquela que vem do berço, de pais educados e preocupados com a formação integral de seus filhos, tratar o próximo com gentileza, ser altruísta, benevolente, amável e educado.

Então, após certo tempo, principalmente quando chegamos àqueles momentos aos quais queremos nos dedicar a vivê-los com alegria e bem-estar, fica impossível conseguir a paz e o amor existencial que nos propomos, se vivemos com os comuns, com aqueles que nenhum esforço fizeram para sua educação como cidadão consciente de seus deveres e contribuir com a felicidade dos outros e desfrutar do direito inalienável que tem de ser feliz.

Que não me perturbem, os comuns, quando eu estiver desfrutando dos meus áureos anos de minha vida.

De certa forma, aos poucos, estou ficando intolerável, insuportável, sem paciência, com os comuns. Ou seja, com aqueles que não sabem ser gentis, não são educados, que não tem modos, com aqueles aos quais tanto faz como tanto fez, isso ou aquilo. Nossa! Como esses me perturbam.

P.s.: não consegui acumular sabedoria para tolerar o intolerável. Sua educação, sua gentileza, nua nobreza, na alma e no coração, me conquistam e me fazem seu servo, no amor e na vida, em tempo de paz e em tempo de guerra.

- jose valdir pereira -




segunda-feira, 31 de agosto de 2020

 Fragmentos


"Do poeta escorre o sangue, a poesia, pura e tenra, porque sua seiva escarlate sai do seu corpo a partir de um coração meigo e amoroso, amigo e pueril... é presente nos braços da natureza, a mãe maior, que o alimenta e o entrega à fome dos homens, à ignorância da escassa luz, que se apossa feito fera faminta, sem alma, sem lua, sem céu e sem coração!" (jose valdir pereira)

"...E mesmo assim, às vezes, não nos damos conta do esplendor dessa luz, e seguimos no escuro, às trevas, sem reparar a luz que nos ama, que ilumina o caminho... aquele que nos leva ao amor...à vida!" (jose valdir pereira)

"Não é a ida com esse fardo pesado que me atormenta; é a volta, só e esquecido. Não, não me importa cultivar flores e cuidar para que haja frutas no pomar; Não receio não ter direito as flores e nem aos frutos... Afinal,conhecemos a história da multiplicação dos Judas e a história do crescimento da prole de Pilatos!"

(jose valdir pereira)



sábado, 29 de agosto de 2020

A ver o mar e a sentir...

 

A VER O MAR E A SENTIR A VELEIDADE DO CORAÇÃO

Estou vendo o dia chegar, olhando para mar, sentindo a brisa pura e virgem, que chega e toca meu rosto com seu frescor angelical...
É no lugar daquele amor que você cria para o seu coração, inventa pra existir, porque foram-se embora os amores de antanho, quando uma flor se entregava para ser amada e sua essência existencial era amar seu amado, sobre todas as coisas.
Agora, para subsistir, é melhor viver com as dádivas que vêm da natureza, a exclusiva expressão concreta da existência de Deus, único e último sopro da vida.
Por isso, entre uma linha e outra, porque não bebo, senão seria entre um copo e outro, e porque não fumo, senão seria entre um cigarro e outro, olho para o mar, vejo suas ondas vindo ao meu encontro, como se quisessem me dar um abraço, enfim, me amar.
Mas é a brisa do mar que me beija, dando-me o amor que ninguém consegue me dar.
Daqui a pouco, chega a aurora e o dia vai amanhecer, e como de costume nessas horas, ouvirei o cantar dos passarinhos e outros sons da natureza, fazendo-me crer que não estou sozinho e que o homem tem como sua principal companhia, ele próprio e Deus, presente através da Sua principal criação, a natureza e tudo que a contém e está contido.
A exemplo do que já acontecera outras vezes, uma assertiva irrefutável: só a presença do amor puro, verdadeiro e angelical, mantém a vida inviolável e salva das fortes tempestades causadas pela doidivana razão.
Não sobrevivemos em sociedade, porque não damos importância ao exercício do amor, que requer entrega, renúncia e dedicação. O culto à razão desencaminha a humanidade.

As preces do coração mostram e nos levam ao céu, ao reino de Deus.

É bem assim.


- Jose Valdir pereira -



sexta-feira, 28 de agosto de 2020