Livro infantojuvenil do poeta

Livro infantojuvenil do poeta
O MAIS RECENTE LIVRO DO POETA

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

...E já tão vazia...





...Ai, você some e eu sumo;
então, nos perdemos de nós;
depois nos encontramos e já não somos nós;
porque já há muito de nós apagado, esquecido, deixado pra trás;
então, já não nos olhamos com liberdade, nem tocamos nossas mãos, 
e nos tornamos estranhos e distantes, um do outro... 


Ausência, foi a tua, foi a minha ausência de nós...
...isso é o que faz a ausência, a displicência com os instantes seguintes, 
mesmo que involuntária, a mercê da negligência dos momentos da breve loucura que se apossa e destroça.


Inadvertidamente, caminhamos passos contrários, embora admoestados pela sensibilidade do amor, que, de tão cego e louco, não nos fez caminhar na mesma direção...enquanto nos enganávamos na solidão, querendo um ao outro...


E se vão as horas, o olhar se apaga, os passos se apressam e, desencontrados no tempo e no espaço, já não podemos seguir o mesmo caminho, ao mesmo tempo...Aonde um chega, o outro só algum tempo depois... e, talvez nem passe, porque estagnou na taverna da esquina, debruçado sobre a mesa, perto de um copo já vazio...e também só.


E, aí, já não temos a mesma cama, o mesmo alpendre, as mesmas flores, o mesmo vinho, a mesma canção de amor, a nossa dança, os nossos sonhos de amor. 


E, aí, já não somos nós; apenas um cada qual solo e preso no peso da solidão, se sustentando na parte que já não mais existe no outro -  e já tão vazia! (jose valdir pereira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário