amor

amor
Do amor divino. Do amor poético. Quando estamos guiados pelo amor de Deus, tudo encerra muita alegria e muita paz!

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Amor verdadeiro...

 

                                  O amor verdadeiro está onde existe admiração, um pelo outro!

 

A palavra mágica é admiração. Sim! Outro dia ouvi alguém dizer que enquanto houver admiração de um pelo outro, o amor entre os dois perdura.

 Certo dia fui à praia. Num determinado momento vi uma senhora passando protetor solar no corpo do seu companheiro, enquanto ele saboreava água de coco.

 Uma outra cena espetacular foi ver o carinho que um cidadão dispensava à sua família. Após o garçom trazer a comida à mesa, o pai, esse admirável cidadão, começou a servir a comida às crianças e até mesmo à sua companheira. Em seguida, cada um serviu-se à vontade, acrescentando algo mais ao seu prato. 

Já li algo que aconteceu entre dois velhinhos. Ao dizer ao esposo que naquele dia ela ia comer a casca do pão, porque a vida inteira comera o miolo, isto porque pensara que seu esposo adorava a casca, seu esposo lhe confessou que sempre comera a casca porque pensava que ela adorava o miolo.

 Observe atentamente ao seu redor o que acontece. Quer seja num restaurante, num cinema, num ônibus, onde for possível observar o comportamento dos casais, observe. Sempre você vai encontrar verdadeiras declarações, demonstrações de admiração, ou seja, de amor.

 Para que alguém ame outro alguém é preciso que haja admiração de um pelo outro. Admirar suscita respeito, carinho, cuidado e amor. Se você não é admirado, se o seu bem não lhe dá atenção e não se importa com o seu bem estar, com sua felicidade, ele não lhe ama. Mas, se ele insistir, dizendo que lhe ama e que assim age porque este é o seu jeito de amar, diga-lhe, então, para fazer uma reciclagem ou que vá amar a quem gosta de assim ser amado. Assim, ambos vão se dar bem. Ele e sua nova amada.

 Afaste-se de quem possa lhe fazer infeliz. A beleza, a riqueza material, a elegância, a fluência verbal, a polidez social, e gentileza em público, nada disso garante que alguém é capaz de amar e fazer alguém feliz. Porque tem que haver admiração um pelo outro. Esta sim, se encarregará de dar a beleza, a riqueza, a elegância e tudo o mais que for imprescindível para que haja felicidade no relacionamento.

 Quem ama é gentil, dócil, meigo, educado, elegante e amável com a pessoa amada, o tempo todo. Não só uma vez ou outra, em público ou nos arrependimentos. Se seu amado ou sua amada não for isso tudo com você, desista. Não seja masoquista. Se alguém disser que lhe ama e jamais teve a intenção, pelo menos a intenção, de abrir a porta do carro para você entrar, ajeitar a cadeira da mesa para você se sentar à mesa, servir-se tão somente depois de você, uma vez ou outra lhe dar flores, as que você mais gosta, presenteá-la de vez em quando, nem que seja com uma simples lembrancinha, fazer gestos que só os cavalheiros são capazes, como beijar-lhe as mãos, oferecer-lhe a mão para apoiá-la no afrontamento dos obstáculos, como subir uma escada, descer do carro, servir-lhe, com doçura uma taça de vinho, licor...Desista! Você está diante de um hábil tosco. E vai sofrer. Sim, porque ávida e tomada por todos esses desejos que culmina no fato de ser tratada como uma dama...E se no seu par, no seu pretendente, nada disso encontrar, amarga decepção. Mas o problema é que você já o ama e pra se livrar das amarras do coração, vai ter que sofrer um pouco pra conseguir.

 Ah, não se esqueça. Há quem usa disfarces. Há também aquela possibilidade de você se apaixonar por um verdadeiro ditador, sem que perceba, já que, no limiar, o falso príncipe é manso, e cordeirinho e anjinho perdem feio para seu cortejador, enquanto vive às vezes da conquista.

 Uma forma de você evitar sofrimentos futuros é se afastar dos “cascas grossas”, dos toscos, procurar identificar os falsos príncipes e ter paciência. Não é certo sofrer várias experiências negativas no amor, só porque queremos fugir da solidão. Já dizia nossos avós: “antes só do que mal acompanhado!”.

 E não se iluda. Essa de dizer que é só por uma noite... E se, de repente, você se amar por alguém que não teria nada mais a lhe oferecer, além de um pouco de prazer sexual? Evite as más companhias, as aventuras amorosas e o desespero do ninho vazio. Da mesma forma que você curte sua solidão, alguém passa pelo mesmo... Quem sabe (tudo é possível), hão de se encontrar...um dia? Pelo menos, neste caso, na solidão, não há ressaca, nem arrependimentos e nem dor advinda de desenganos, desilusões e despedidas, umas inexplicáveis, outras óbvias.

 Lembre-se: o amor está onde existe admiração, um pelo outro. Pergunte a pessoa que você ama, se ela lhe admira. Aliás, nem é preciso perguntar, se você a sente que ela o ama...

E ela, é feliz?

 (jose valdir pereira)


                                              The Good Book by Gladys Roldan-de-Moras


Nenhum comentário:

Postar um comentário