o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

domingo, 6 de novembro de 2011

Crônica



Entender uma poesia a partir de uma simples leitura não é fácil...


Depende profundamente da sensibilidade da alma e do coração...
...do estado de espírito...


Às vezes, pensamos que escrevemos uma obra rara, uma criação divina e, 
ao final, aos olhos dos outros... Nada;


É como uma bela pintura, daquelas que enlouquecem corações, 
mas, para alguns, não passa de rabiscos e expressões que borraram a tela, 
desperdiçando-a...


Mas é isso; é mister que, assim, 
como carecemos aprender a amar a nós mesmos primeiro para sabermos amar ao próximo, 
precisamos compreender que a linguagem das artes é sempre espetacular; 
cada um de nós é que processa essa imagem em nossos corações e, 
depois disso, a vemos, feia ou bela, uma expressão artística fenomenal ou, 
então, uma insignificante proposta de arte.


Cabe ao artista (poeta, escritor, pintor, compositor...) ser capaz de compreender que a sua criação tem dois públicos: ele e os amáveis leitores, espectadores, ouvintes, E ambos julgam o ente criado conforme um conjunto de fatores... Por exemplo: se a criatura é belíssima, mas o espectador está de mau humor, que será da arte? 
(jose aldir pereira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário