o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

domingo, 4 de março de 2012







QUEIXARIA ÀS FLORES

Se tudo possuísse e não a ti, me queixaria às flores!

Se fosse meu o céu cheio de estrelas, um luar encantado e não tivesse a ti, me queixaria às flores!
Se pudesse desfrutar de todos os bens da terra e não do teu amor, me queixaria às flores!
Se houvesse vida eterna e não fosse indelével o teu amor por mim, me queixaria às flores!
Se o perfume das flores não fosse igual ao teu, me queixaria às flores!
Se a noite caísse no meu leito e eu ainda sem ti, me queixaria às flores!

Por que às flores?


Um dia qualquer, se quiseres me encontrar, veja as flores, é nelas o meu lugar; são delas o meu perfume, a maciez da minha pele, a meiguice do meu olhar. Nada que não seja delas é meu e tudo que posso vir-a-ser delas virá; das flores vivo e só a elas sei amar!

(jose valdir pereira)







A suavidade dos teus passos, a ternura das tuas palavras, os pensamentos que sei que pensas...

...chegam...

me possuem...

me tentam...

...me dão ao aconchego da paz, da imaginação, essa que me conduz aos verdes campos das colinas distantes...na certeza do amor melhor.

(jose valdir pereira)





Nenhum comentário:

Postar um comentário