o poeta

o poeta
o poeta e sua mamãe

quinta-feira, 15 de março de 2012

Que procuras?





Que procuras?
- O amor.
- Não vais encontrá-lo assim. 
O amor foge das atitudes indelicadas, 
não convive com a aspereza das palavras e prefere a solidão as torturas da liberdade efêmera e inconsequente...
é paciente, compreensivo, mas não tão aos extremos...
por que sê-lo-ia, tornando-se sempre vítima e objeto de exploração?
Não, não chegas ao amor assim.
Seja sutil, educado, sincero (mas sem ser inconveniente), 
amigo (sem segundas intenções)...E nem fale, nem escreva de forma excessiva;
o amor não é prolixo, fastidioso...
e nem lacônico, de tal sorte, dado ao silêncio.
Mas prefere a linguagem dos acenos: um olhar, uma mão estendida, 
um mexer nos lábios, nos olhos...
E uma só frase, uma frase só, já diz tudo: eu te amo!
Se disser mais, nada mais importa. 
Se não disser, está no aceno!"
(jose valdir pereira)


Um comentário:

  1. No silêncio das palavras, como acontecer o amor?
    Diga " Eu te amo" Isso basta?
    Aceitar amar requer saber, conhecer um pouquinho o íntimo do outro,melhor ainda em forma de poesias.
    Um poeta sabe expressar com sutileza e encanto sentimentos que por magia afloram da alma e sabe também arrancar emoções contidas. Isso é ser poeta. Você o é.
    Beijos da Liz.

    ResponderExcluir