sexta-feira, 24 de junho de 2022

De um jovem hoje, ao ver-se na pele de um ancião amanhã

 

 

Quando for pouca minha juventude, depois dos passados impiedosos anos, quero que me tenhas no teu coração; não guardado, com carinho e afeto, mas me amando como da primeira vez;

Quando meu corpo me negar e me surpreender, intempestivamente, porque não saberia ver-me diferente de outrora, não me socorra; deixa que a minha energia interior me eleve e me transporte como sempre fez...

...E nas vezes em que meus olhos te chamarem a atenção, como daquelas vezes que nos amávamos de forma ininterrupta e sem horas para o fim, ama-me, para eu acreditar que o amor tem força e dura de forma interminável...

Se alguma vez, qualquer que seja o motivo, uma lágrima rolar no meu rosto, finge que não vês e disfarça me falando de quão somos felizes como o fomos nas tardes alegres de domingo...

E quando me notares a olhar para as folhas secas levadas pelo vento, mostra-me as flores da florista que sorri, os frutos da cesta que está na mão do jovem que passa, e a certeza da primavera que breve virá...

Quando meus olhos cansados estiverem se fechando, olha-me, com os teus cheios de amor e de ternura e, sem nada dizer, mas tudo dizendo: faz-me sentir o homem mais amado de todos os tempos!

(jose valdir pereira)

 

Nenhum comentário: